Grave acidente na Rodovia Eng. João Batista Cabral Rennó, mata jovem ourinhense em Santa Cruz do Rio Pardo

Socorristas tentaram reanimar Éder por mais de 40 minutos, mas ele não resistiu a parada cardiorrespiratória e morreu no local (Crédito – Repórter na Rua)

No domingo (12) à tarde, o empresário ourinhense Éder Gomes Alves, 31 anos, morreu após sofrer grave acidente no quilômetro 299 da Rodovia Engenheiro João Batista Cabral Rennó, em Santa Cruz do Rio Pardo.

Éder foi funcionário da Santa Casa de Ourinhos, e atualmente estava investindo no segmento de telefonia celular, sendo proprietário de duas lojas de celulares, uma delas no centro de Ourinhos e outra em Jacarezinho – PR.

Segundo informações do site Repórter na Rua, o jovem empresário estaria com destino à Maceió, onde passaria uma temporada de férias. No veículo do ourinhense  foi encontrado o passaporte, malas e uma grande quantia em dinheiro.

O acidente

A violenta colisão traseira entre o veículo Honda Fit dirigido pelo jovem empresário ourinhense e um bitrem carregada com açúcar, causou a morte instantânea de Éder Gomes Alves. O jovem empreendedor seguia com seu veículo pela SP-225 no sentido Ipaussu – Bauru, quando já se aproximando dá alça de acesso à Rodovia Castelo Branco, perdeu o controle do carro e acabou colidindo violentamente contra a traseira da bitrem com placas do estado de Goiás.

Uma viatura da Polícia Militar de Bauru, que seguia logo atrás, parou para dar os primeiros socorros e acionou os paramédicos da Cart (Concessionária que administra o trecho). Em poucos minutos a viatura UTI Móvel já estava pelo local e o médico responsável e seus enfermeiros deram inicio à uma grande batalha, na tentativa de reanimar o rapaz que já estava em PCR (Parada cardiorrespiratória). Foram quase 40 minutos de intenso trabalho de reanimação, mas infelizmente o jovem não resistiu e teve o óbito confirmado ainda no solo da SP-225.

O site Repórter na Rua conversou com o motorista da carreta, que disse ter saído da Usina São Luiz com destino ao Porto de Santos-SP, carregando toneladas de açúcar. “Aqui é um trecho de subida, e devido ao peso da bitrem eu estava há uns 15 ou 20 KM/H. Não tinha o que fazer, ele veio muito rápido e aparentemente não prestou muita atenção”, disse o homem morador em Goiás, que não quis se identificar. O caminhoneiro ainda questionou o trecho administrado pela Cart: “Já ouvi falar sobre este pedaço de rodovia. São mortes constantes. Já passou dá hora deles começaram a investir aqui e parar só de ficar cobrando. Poderiam abrir uma terceira faixa para caminhões pesados poder transitar com tranquilidade”, afirmou o homem, indignado com o triste acidente.

Para os policiais que seguiam logo atrás, o que pode ter causado a morte do motorista ourinhense, foi a distração com o troco recebido no pedágio. “Encontramos ele desacordado, mas tinha dinheiro na mão e várias notas caídas no banco, provavelmente ele estava conferindo o troco”, disse um PM morador em Bauru. A equipe que atendeu a ocorrência ainda acredita que a falta do uso do cinto de segurança tenha contribuído para a morte do empresário. “O volante chegou a quebrar com a violência da colisão; o corpo foi arremessado contra o painel do carro”.

Fonte: Repórter na Rua