Raquel Sheherazade: dois errados não fazem um certo

Por Janine Cecília

No último domingo aconteceu o Troféu Imprensa, que para quem não sabe, é uma cerimônia onde o homem do Baú premia os melhores do ano dentro da televisão e fora dela também. No momento que Silvio Santos foi entregar o Troféu Internet para Raquel Sheherazade, o mesmo aproveitou para dar o que muitos chamam de “puxão de orelha”, eu chamo de abuso de poder.

Silvio Santos é o homem mais conhecido e influente do Brasil, todas as gerações vivas desse país o conhecem e a maioria dessas pessoas o tem como o Jesus da contemporaneidade, o homem do aviãozinho é mais blindado que filiado do PSDB, e por isso, tem aval para dizer o que bem quer, onde quer e quando quer. Há quem justifique isso pela idade, pra mim é o poder aquisitivo falando mais alto. Ele faz parte da receita infalível para se fazer o que quer no Brasil sem ter que responder por isso.

A referida jornalista não me passa pela garganta, famosa pelo discurso de “gosta de bandido? Leve ele pra casa!”, ela consegue ser uma pessoa bastante desprezível e um perigo constante com seu discurso de ódio, o que não a torna menos vítima do machismo que cada uma de nós mulheres sofre, e o texto é sobre isso, ela está errada com seus discursos, assim como Silvio ao se aproveitar do poder que tem para humilhá-la em público, e afirmar que ela só se faz necessária por ser um rostinho bonito.  Todo mundo sabe: rostinho bonito no Brasil é o que não falta, o que faz de Sheherazade facilmente substituível (ele poderia a ter demitido a qualquer momento, porque resolveu humilhar em público?), tornando a fala de Silvio uma clara ameaça ao seu status de empregada da emissora, ou seja: Assédio moral, crime trabalhista.

Não podemos mudar o que o Silvio Santos é, mas podemos mudar o que ele representa na nossa sociedade: falou merda? Tem que ser criticado, não importa quem você é, não importa o tamanho da sua legião de fãs e enquanto Raquel Sheherazade continuar a afirmar suas opiniões “fascistóides”, deve ser criticada também, só que nada disso diminui o fato de que o que ocorreu é machismo e abuso de poder.

Repetindo, esse texto não tem por objetivo mudar o que eles são e sim trazer uma reflexão: Abuso moral acontece nas mais variadas empresas, em todo lugar, você vai permitir que isso continue ocorrendo? O que aconteceu com ela é só um exemplo do que ocorre com mulher pobre todo dia e ninguém fica sabendo, mas serve de alerta para quem ainda não sabe que isso é crime e que existe uma lei que pode te apoiar.

Janine Cecília faz Análise e Desenvolvimento de Sistemas na Fatec Ourinhos e é formada em Design de Moda na Universidade Estadual de Londrina (UEL)