Decadente, economia de Ourinhos perde participação no PIB do Estado

O desempenho da economia ourinhense ficou abaixo da média do Estado nos 12 anos entre 2002 e 2014, período em que a cidade foi governada pelos prefeitos Claudemir Alves da Silva (PTB), Toshio Misato (PSDB) e Belkis Fernandes (PMDB).

Segundo dados da Fundação Seade, do Governo do Estado de São Paulo, a participação de Ourinhos no PIB do Estado caiu de 0,1998% para 0,1532% entre 2002 e 2014. Com isso, o PIB per capita de Ourinhos passou a ser 38% abaixo do PIB per capita estadual, enquanto em 2002 era 20,87% menor.

O economista Victor Hugo Agudo Romão, mestrando em economia regional pela UEL, crítica a ausência de um projeto de desenvolvimento no município. “Ninguém pensa o desenvolvimento da cidade. As eleições municipais são um concurso de mediocridade, quando nenhuma proposta séria para o crescimento de Ourinhos é apresentada. Só se fala em buracos. Ora, mas qual a novidade de uma cidade em decadência econômica não conseguir fazer sequer a manutenção básica?”, indaga.

Victor Hugo também destaca a fragilidade das alianças políticas dos prefeitos com autoridades estaduais e federais. “A única estratégia dos prefeitos de Ourinhos é prestar apoio político ao governador. Embora o esforço dos prefeitos não seja muito grande, a cidade acaba não recebendo nada relevante em troca. Por que o governador enviaria recursos importantes para Ourinhos, se o apoio dos prefeitos e os votos da cidade são garantidos?”.

Algumas cidades da região tem obtido vitórias mais importantes. Victor Hugo aponta que Cornélio Procópio recebeu os cursos de engenharia de uma universidade federal. Até mesmo Jacarezinho recebeu um Instituto Federal. Na opinião do economista, a presença das universidades públicos com os cursos de tecnologia faz toda a diferença para o desenvolvimento de uma cidade. “Bauru, que possui os cursos de engenharia da Unesp, aumentou sua participação no PIB do Estado nesse período. Cornélio vai avançar e não tem como Ourinhos não ficar para trás”, afirma Victor Hugo.