Estudantes fazem protesto contra reorganização da rede estadual

Cerca de 100 alunos da EE Domingos Camerlingo Caló, em Ourinhos, realizaram um protesto hoje na frente da unidade escolar contra a proposta do governo Alckmin de reorganizar a rede. Os estudantes não aceitam as mudanças pois temem que sejam descolocados para escolas longe de suas residências e fora da comunidade que já estão acostumados.

Anunciada há cerca de duas semanas pela Secretaria Estadual de Educação, a iniciativa pretende deixar cada escola com apenas um ciclo. O ensino básico é composto por três ciclos: Ensino Fundamental – séries iniciais, Ensino Fundamental – séries finais e Ensino Médio.
Segundo o governo a ideia é para melhor organizar o ensino deixando as escolas “especializadas” em cada ciclo.

O sindicato dos professores, Apeoesp, tem se posicionado contrário a tais mudanças, pois entende que tal reorganização é uma política do governo estadual para economizar superlotando as salas de aulas e que prejudicará a qualidade da educação e também, com mais alunos por sala, o professor sofrerá um maior desgaste. O sindicato teme ainda um desemprego em massa na categoria, pois com o fechamentos de salas e escolas haverá desemprego principalmente nas categorias de professores que possuem contratos de trabalho com tempo determinado. Durante entrevista concedida ao Jornal Contratempo, o conselheiro regional da entidade,  Luís Horta afirmou que a medida do governo é uma “marmita requentada”, uma vez que já foi realizada em 1995 e que não deu certo, pois maioria das escolas voltaram a atender todos os ciclos e as promessas de equipamentos específicos para cada ciclo não foram cumpridas, porém ele alerta que por trás da medida está o interesse do governo em municipalizar o Ensino Fundamental.