Polêmica: Campanha da Fraternidade 2021

Nesta quarta-feira, 17, iniciou o período da quaresma, período que algumas igrejas cristãs começam com a Quarta-Feira de Cinzas ou Dia das Cinzas, “a data é um símbolo do dever da conversão e da mudança de vida, para recordar a passageira fragilidade da vida humana, sujeita à morte”. O período quaresmal vem como preparação para a celebração da Páscoa, por meio da reflexão, fazer com que os cristãos possam olhar o caminho trilhado, rever suas escolhas e lançar um olhar atento para o presente com esperança no futuro.

Como é de costume, no Brasil, nesse tempo quaresmal, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) propõe como reflexão e gesto concreto a Campanha da Fraternidade (CF). Criada em 1961, com o intuito justamente de trazer como pautas nas reflexões assuntos pertinentes à conjuntura como era latente no período da sua criação, a pobreza e a violação da dignidade humana. Mas essa proposta não surge como uma ação isolada na Igreja Católica, pois em seu magistério tem-se a Doutrina Social alinhada com a proposta evangélica, reconhecendo a importância de analisar questões econômicas, políticas, sociais e culturais e posicionar-se diante delas de modo mais lúcido e eficiente.

Desde a Rerum Novarum, encíclica do Papa Leão XIII de 15 de maio de 1891, a Igreja se preocupa com questões relacionadas ao homem na sociedade. De modo que, a partir desse documento, a igreja começa a caminhar no sentido de dialogar com a modernidade, rompendo com o véu da indiferença e da invisibilidade dos sofrimentos e desafios que o povo enfrentava. Desigualdade social, racismo, violência, fome e intolerâncias de todos os tipos e formas tornam-se preocupação de seu magistério e de sua Pragmática.

Desse modo, a Campanha da Fraternidade ajuda em momento oportuno a fomentar a reflexão para o caminho da conversão, de sair da alienação da realidade, do ostracismo, para que a reflexão não fique em si mesmo, mas coloque sempre as pessoas em movimento na busca da construção da fraternidade, da justiça e da paz, ou seja, para ir ao encontro de uma verdadeira mudança de vida que possa refletir no contexto social.

 

CAMPANHA DA FRATERNIDADE ECUMÊNICA 2021

Se o desejo é construir uma sociedade mais humana, justa e fraterna, não se torna possível construir sozinhos, essa missão passa pelas mãos de todos os homens e mulheres de boa vontade, como declara o Papa Francisco. Nessa toada, a Campanha da Fraternidade Ecumênica tem sido realizada, em média, a cada cinco anos, com a proposta de congregar diversas denominações cristãs, sempre de forma ecumênica, atraindo para o diálogo sobre temas que tocam a todos como: dignidade humana, paz, economia, meio ambiente, valorizando as riquezas em comum entre as igrejas.

No entanto, a Campanha da Fraternidade Ecumênica de 2021 tem causado polêmicas, em virtude de um vídeo que, o representante do Centro Dom Bosco divulgou no canal do Youtube intitulado: “Saiba quem está por trás da Campanha da Fraternidade”, o referido representante trabalha em seu vídeo com falas da Pastora Romi Bencke e do Padre Beozzo sobre outros assuntos que não diz respeito à Campanha da Fraternidade, mas de cunho moral, de maneira à colocar as pessoas que conservam suas convicções contrárias à Campanha da Fraternidade, além disso se revolta com a pauta LGBTQI+, no qual o texto-base denuncia as violências que esse grupo tem sofrido.

A organização do texto-base que traz os objetivos da campanha e sua metodologia de trabalho foi realizada pelo Conselho Nacional das Igrejas Cristãs do Brasil (CONIC), conselho que católicos também são integrantes. E assim, a CNBB, tem divido a organização do trabalho nas Campanhas Ecumênicas.

O tema da Campanha da Fraternidade é “Fraternidade e Diálogo: compromisso de amor” e o lema: “Cristo é a nossa paz: do que era dividido, fez uma unidade”, extraído da Carta de São Paulo aos Efésios, Capítulo 2 e versículo 14. O texto-base traz como denuncia a postura adotada pelo governo brasileiro frente aos povos indígenas, critica os altos índices de femínicidio, da violência contra a mulher e violência sofrida pela população LGBTQI+, além da preocupação com Covid-19 que norteia o texto e enaltece o quanto a pandemia revelou as fragilidades e inseguranças.

Depois da divulgação desse vídeo, surgiram várias reações contrárias da ala ultraconservadora da Igreja Católica à Campanha da Fraternidade, uma delas foi de Dom Fernando Guimarães, Arcebispo do Ordinário Militar do Brasil, em carta pública enviada ao presidente da CNBB, Dom Walmor Oliveira de Azevedo adverte:

“A evangelização dos fiéis, no entanto, em qualquer tempo e ainda mais em um tempo especial como é a quaresma católica, não é espaço para se dialogar sobre temas polêmicos e contrários à autentica doutrina de nossa Igreja.

(…) Seguiremos apenas as orientações teológico-litúrgicas próprias do tempo quaresmal e não serão utilizados quaisquer dos materiais produzidos oficialmente.”

Outro que se pronunciou foi Dom Adair José, bispo da Diocese de Formosa, em Goiás:

“Não fiquemos escutando coisas que não tem nada a ver com a nossa fé. Toda essa confusão com Campanha da Fraternidade, esquece isso!”. Em vídeo que circulou pelas redes sociais.

Além deles, outros padres também se manifestaram contrários, afirmando que as ideias elaboradas no texto-base vão contra a fé católica.

Em contrapartida, toda essa situação também fez surgir reações da ala progressista da igreja, como a resposta de Dom Pedro Luiz Stringhini, presidente do Regional Sul 1 da CNBB:

“Quem está falando contra a Campanha da Fraternidade é católico diabólico, é católico que não gosta dos pobres.”

Além dele, o Cardeal Dom Odilo Scherer também se manifestou:

“Neste ano, antes que a Quaresma inicie, nós já estamos com uma polêmica em torno do texto-base [da Campanha da Fraternidade]. Essa polêmica está movida por preconceitos e paixão anti-ecumênica; além de acusações infundadas contra a CNBB, é uma polêmica também marcada por polarização ideológica.”

O padre Julio Lancelloti, também defendeu a campanha:

“Tem gente falando mal da Campanha da Fraternidade. Nem leu e nem sabe o que é”. (…) Alguém pode ser contra superar as desigualdades? Essa campanha denuncia o feminicídio, a homofobia, a LGBTfobia, a transfobia, é uma campanha corajosa. Igrejas cristãs que se unem contra a violência. Não queremos armas, queremos vacina e queremos vida. O povo quer portar o cartão da vacina e não armas.”

Mesmo com tantas polêmicas, a Campanha da Fraternidade Ecumênica segue como proposta de reflexão para o período quaresmal, lançada na última quarta-feira, 17, com material e roteiros de apoio à luz da temática para acompanhar os cristãos nesse caminho para a Páscoa. De todo modo, a Campanha da Fraternidade segue como um importante instrumento que mostra as mazelas sociais e o que precisa conversão.

 

 

Foto: Divulgação/CNBB

Comentários no Facebook