Vitória estudantil: Alckmin revoga decreto de reorganização escolar

Desde que o projeto de reorganização foi anunciado, os estudantes paulistas fizeram uma série de ocupações em escolas e grandes manifestações que fecharam as principais avenidas da capital paulista. Caso o plano fosse implementado, 93 centros de educação seriam fechados e 311 mil estudantes afetados pela medida.

A pressão dos estudantes ganhou o reforço de pais, professores, funcionários do quadro escolar, além de artistas que se mobilizaram pela causa. Sob forte repressão e violência policial, os alunos se mantiveram firmes em defesa de suas escolas. A má gestão do governador o levou a atingir sua pior marca de popularidade. Segundo o Datafolha, apenas 28% dos eleitores paulistas qualificam a gestão do tucano como “ótimo” ou “bom”, esta foi a menor taxa de aprovação ao longo de mais de 10 anos de mandato.

Segundo nota oficial da Ubes, publicada na noite desta sexta-feira (4), após uma assembleia geral dos estudantes, mais de 220 escolas foram ocupadas. “Os secundaristas que resistiram contra essa proposta [reorganização] são vitoriosos”, diz o texto.

“Vencemos a repressão da Polícia Militar, nossos diretores ditadores, as bombas de efeito moral, a falta de água e luz. Vencemos a truculência do governo Alckmin, a intolerância do Secretário Estadual de Educação, Herman. Conquistamos tudo isso pelo amor as nossas escolas e a consciência de que podemos alcançar uma nova escola pública”, afirma o documento.

Neste domingo (6), acontece a Virada Ocupação, uma virada cultural promovida pela ONG Minha Sampa. Os artistas Criolo, Paulo Miklos (Titãs), Edgard Scandurra (Ira!) e Maria Gadú já confirmaram presença. O local e o horário dos shows ainda não foram divulgados para preservar a segurança da comunidade escolar.

 

Fonte: Vermelho

Comentários no Facebook