Assembleia dos servidores municipais deflagra greve a partir de sexta, 31

Reunidos em mais uma assembleia os servidores municipais de Ourinhos deliberaram, no último sábado, 25, deflagrar greve para a próxima sexta-feira, dia 31.

A categoria – que já havia decidido optar pelo indicativo de greve caso o Executivo não melhorasse a última contraproposta – compareceu em massa na assembleia deste sábado.

Segundo o sindicato, a posição da imensa maioria dos servidores, que foi acatada pela entidade, é a de que a contraproposta do Executivo simplesmente contraria o que, em campanha, o candidato e hoje prefeito Lucas Pocay fez questão de defender, que é a valorização dos servidores através do reajustamento de seus salários. Para o presidente do sindicato, Edinilson Ribeiro da Silva, o que o atual prefeito plantou,  acabou por colher. Edinilson é enfático:  “Não deixamos de reconhecer que muitos municípios atravessam uma crise em suas finanças. Mas mesmo assim, e inclusive nas cidades que compõem a base territorial do nosso sindicato, conseguimos avançar muito mais do que em Ourinhos, com reajustes significativos em benefícios como auxílio alimentação e aplicação da inflação nos salários dos servidores, situação que deveria ser ponderada pelo atual prefeito”.

Contraproposta ínfima, denunciam os servidores

Enquanto o sindicato defende a recomposição da inflação, que está em 4,69%, além da correção do vale alimentação e sua universalização (atualmente apenas os servidores até o nível nove, ou seja, aqueles que recebem, em média, dois salários mínimos, são beneficiados pelo benefício), a prefeitura ofereceu tão somente 2% nos salários, o que motivou uma mobilização sem precedentes da categoria. O presidente do sindicato reconhece o fato de que muitos servidores votaram no atual prefeito, eleito com mais de 80% dos votos, acreditando que suas propostas seriam postas em prática sobretudo neste momento em que as famílias atravessam uma crise sem precedentes. “Já fizemos três assembleias, todas com comparecimento de aproximadamente quatrocentos servidores, um indicativo de que o movimento é sério e demonstra uma enorme insatisfação”.

Manifestação na Câmara

Na agenda do movimento, os servidores farão uma concentração em frente à Câmara Municipal, nesta segunda feira, 27, às 18 horas. Na ocasião, o legislativo estará votando os projetos de lei encaminhados pelo Executivo mesmo sem a aprovação dos trabalhadores.