Clínica veterinária em Ourinhos atendeu 5 gatos e 1 cachorro envenenados nesta semana

Durante esta semana, o HVO (Hospital Veterinário de Ourinhos), registrou o atendimento de cinco gatos doentes com os mesmos sintomas de envenenamento, intoxicados na mesma região da Vila Margarida. Em outro bairro da cidade, um cachorro também foi envenenado e foi atendido pela clínica.

De acordo com o veterinário Dr. Paulo Garcia, os animais foram intoxicados pela ingestão de “chumbinho” (carbamato Aldicarb), produto clandestino – proibido pela Anvisa –, vendido e usado ilegalmente como veneno.

Dois dos animais que chegaram à clínica não sobreviveram e, muito provavelmente, outros animais, sem dono, podem ter morrido na rua.

O envenenamento de gatos e cachorros é uma prática criminosa que tornou-se “tradição”. Em Ourinhos, frequentemente, os veterinários atendem animais que comeram veneno enrolado em pedaços de comida – já que o produto mais comum, o chumbinho, não tem cheiro, nem sabor e não é percebido pelo animal atraído pelo alimento. De acordo com o Dr. Paulo, a HVO já atendeu outros casos similares em 2019.

“Se não tem onde comprar, não dá pra envenenar” – Segundo o Dr. Alcides Leme, da clínica Lobo Guará, as lojas/casas de agricultura ou especializadas em pássaros, criminosamente, vendem esse veneno (o chumbinho) para os interessados em “controlar” os animais, principalmente, gatos.

O que fazer – A recomendação do Dr. Paulo Garcia é que, diante de qualquer sintoma – fraqueza, apatia, vômito, convulsão, diarreia, inquietação ou hemorragia –, levar o animal para um médico veterinário com urgência, aumenta as chances de sobrevivência. Além disso, o especialista sugere que se investigue, vasculhe os locais frequentados pelo animal e fique de olho em possíveis suspeitas – descobrir a autoria do crime nesses casos é difícil, mas, se for possível, a denúncia é um direito do dono.

Eduarda Schuh

21 anos e ourinhense de coração. Estudante de Jornalismo na UNESP de Bauru. Aspirante a jornalista há algum tempo. Buscando um caminho para um mundo mais justo há ainda mais tempo. Contra qualquer tipo de exclusão e elitização, escrevo para quem precisa entender. Feminista e progressista, procurando os erros e acertos.