Coluna Espaço Cidadão – Mato alto na ferrovia que cruza a cidade incomoda moradores há muitos meses

Através do nosso Whatsapp, nesta quarta-feira, 21, o Jornal Contratempo recebeu uma reclamação de uma moradora sobre o mato que vem incomodando os comerciantes e moradores dos arredores da linha férrea que cruza a cidade.

A leitora do Jornal Contratempo, que preferiu não se identificar, nos enviou fotos da rua de sua casa, na Antonio Carlos Mori, próximo à Marvi, no Jardim Itamarati, ao lado do Pontilhão. Junto com as fotos, disse que lá o mato toma conta de um terreno, causando graves transtornos aos moradores.

A moradora também citou que sempre há demora na limpeza do terreno, e que, em outros momentos, colocaram fogo, causando perigo aos moradores das imediações. Informou que o terreno seria da ALL e nem a empresa e Prefeitura resolvem a situação.

A reportagem foi verificar as informações e o que nos foi afirmado é que a manutenção do terreno é de responsabilidade da Concessionária Rumo Logística. Em relação a Prefeitura, foi nos informado que mesmo que o terreno esteja dentro da cidade, os funcionários municipais não podem interferir na limpeza dos arredores da ferrovia.

Os funcionários da Rumo na região são responsáveis por aparar o mato, começando pelos arredores da ferrovia que ficam próximos à divisa SP/PR e passando por toda a área que fica dentro da cidade e que vai em direção a Chavantes. Entretanto, por conta da pouca quantidade de funcionários, do momento que passam por um local, até voltarem no mesmo, já deu tempo do mato crescer muito e causar muitos danos e incômodos.

Enquanto a concessionária justifica-se com a falta de funcionários e a Prefeitura declara estar de “mãos atadas”, animais peçonhentos, acúmulo de lixo e a poluição visual causada pelo mato, continuam incomodando os moradores.