Santa Casa de Ourinhos não realiza mais exames de imagem para usuários do Iamspe

Nos últimos meses, os pacientes ourinhenses, credenciados pelos Iamspe, estão viajando para Marília e Assis em busca de atendimento. Exames que, anteriormente, eram feitos na Santa Casa de Ourinhos, hoje, só estão disponíveis em outras cidades.

O Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual (Iamspe) é um sistema de saúde que atende os funcionários do Estado de São Paulo e seus dependentes. Em Ourinhos, o atendimento do usuário é feito a partir do credenciamento do instituto com a Santa Casa e alguns médicos particulares. O serviço, de forma semelhante a um plano de saúde particular, cobre despesas médicas e dá preferência em hospitais aos contribuintes — a contribuição é descontada do salário do servidor.

Até 2017, o Iamspe pagava, mensalmente, R$300.000,00 à Santa Casa de Ourinhos. Por este valor, o hospital oferecia atendimento emergencial, cirurgias, exames de imagem e consultas médicas com clínicos gerais e com especialistas para os funcionários do Estado.

No ano passado, a Santa Casa alegou, na renovação do contrato, que R$300.000,00 era um valor muito baixo para a demanda de pacientes e os serviços oferecidos. O Iamspe­­ conseguiu aumentar o pagamento para R$400.000,00­­­. Porém, os R$100.000,00 a mais não foram suficientes para cobrir todos os exames que eram realizados anteriormente. Assim, os exames de imagem foram suspensos para os pacientes em Ourinhos.

Deslocamento – Os usuários que faziam acompanhamento na cidade, hoje, precisam deslocar-se para outros municípios. Como resultado dos gastos e dos esforços para o deslocamento, muitos pacientes têm dificuldade para realizar seus tratamentos ou até deixaram de fazê-los.

O responsável pela direção do Iamspe em Ourinhos, Roberto Baviera, afirmou que a central da instituição já está ciente da suspensão dos exames de imagem na cidade. Sem citar valores exatos, disse que a Santa Casa presta contas de seus serviços e que só o aumento da verba pode resolver o problema; ou seja, a responsabilidade de reverter a situação é remetida ao Iamspe e ao governo do estado de São Paulo.

O orçamento do Iamspe para os exames de imagem foi oferecido para outras clínicas e empresas que prestam esses serviços em Ourinhos, no entanto, essas empresas também não aceitaram o valor.

O Iamspe tem uma tabela fixa do dinheiro disposto para cada cidade e considerou que os R$400.000,00, pagos mensalmente, representam um valor justo e, por isso, não vai “mexer na tabela”. Os responsáveis pela instituição em Ourinhos pretendem abrir uma licitação e marcar uma reunião com o governador do estado para planejar a possibilidade do aumento da verba.

A Santa Casa de Ourinhos alega que o seu contrato com o Iamspe é muito justo e não pode realizar um serviço de qualidade pelo valor que lhe foi oferecido.

Por enquanto, os usuários ourinhenses do Iamspe continuarão deslocando-se para outras cidades a fim de realizar seus exames, se assim conseguirem.

Eduarda Schuh

20 anos e ourinhense de coração. Caloura de Jornalismo na UNESP de Bauru. Aspirante a jornalista há algum tempo. Buscando um caminho para um mundo mais justo há ainda mais tempo. Contra qualquer tipo de exclusão e elitização, escrevo para quem precisa entender. Feminista e progressista, procurando os erros e acertos.