Festival de Música: a marca registrada da cultura ourinhense

O Festival de Música não possui mais o mesmo brilho como nos primeiros anos do evento, mas se manteve firme e há esperança de que o festival seja realizado no ano que vem

 

Juliana Neves

 

Em 2001, foi criado o Festival de Música de Ourinhos. O intuito era oferecer oportunidades de aprimoramento aos músicos da Banda Municipal e para professores e alunos da Escola Municipal de Ourinhos. É um evento que une oficinas de músicas em diversas áreas, shows, exposições, “canjas” nos bares e outros encontros.

O principal objetivo do festival é incentivar o estudo da música no município, bem como oferecer conhecimentos aos professores e alunos. E, ao mesmo tempo, movimentava o turismo de eventos de Ourinhos.

O público-alvo sempre foram os estudantes e professores de música, mas algumas atividades, como canto coral e história da música, podiam ter a partição de leigos. Neusa Fleury, professora aposentada, conta que o “evento sofreu muitas alterações nos últimos anos, diminuiu muito a interação entre a cidade e os participantes, o Festival encolheu. O envolvimento com o comércio acontecia porque tínhamos a maioria de participantes vindos de outras cidades, consumindo durante uma semana. Teve um ano que tivemos cerca de 1000 alunos nos alojamentos”.

De modo significativo, o festival serviu de vitrine para muitos músicos e professores, pois era a oportunidade de mostrar para diversas pessoas o trabalho individual e em grupo. Além de uma equipe de produção unida, envolvida e comprometida com a qualidade. O festival era sinônimo de orgulho para os ourinhenses.

Divulgação de 2019 (Foto: Facebook Festival de Música de Ourinhos)

Aos poucos, os investimentos em educação musical com cursos musicais e muitos alunos marcando presença nas aulas foi substituído pela facilidade dos shows e baladas em bares. Esta situação é um dos motivos que fez o festival murchar devagar.

Mas tudo em nossa vida possui histórias marcantes, e com o festival não foi diferente. “Sempre me emocionei em ver crianças aprendendo um instrumento e a alegria de tocar em conjunto. Assistir o Dominguinhos tocando e chorando no Centro de Convivência foi inesquecível, ele estava doente, morreu poucos meses depois. O público lotou o Teatro em duas sessões para assistir Hermeto Pascoal que também foi uma surpresa, dentre tantas outras. Perceber a interação entre os músicos, as trocas humanas com a música proporcionando tudo isso fizeram muitos momentos felizes”, fala Neusa.

Divulgação de 2018 (Foto: Facebook Festival de Música de Ourinhos)

E em razão da pandemia de coronavírus, o Festival de Música de Ourinhos completa dois anos sem ser realizado. Entretanto, os ourinhenses da cultura compreendem que estamos vivendo um momento de outras preocupações e de luta pela vacina para que todos fiquem bem e a economia volte a crescer.

Por isso, a esperança para 2022 é que “o evento retome seu protagonismo como educação musical, que envolva professores e estudantes novamente numa confraternização que só enriquece culturalmente. Que o evento não seja superficial, mas contribua efetivamente com a formação de jovens e adultos”, finaliza a professora.

 

Imagem capa: Facebook Festival de Música de Ourinhos

APOIE

Seu apoio é importante para o Jornal Contratempo.

Formas de apoio:
Via Apoia-se: https://apoia.se/jornalcontratempo_apoio
Via Pix: pix@contratempo.info