O que pedem as ruas

Da redação

 

Uma passada de olho mais atenta pelas ruas de Ourinhos, percebe por aqui também a indignação que se espalha contra o governo Bolsonaro-Mourão. Beirando as 400 mil mortes de brasileiros, a política neoliberal e de extrema direita dos Capitães parece não mais sustentar nem as próprias fake news, escancarando seu projeto de morte e aumento da exploração dos trabalhadores brasileiros. A pressão popular para a queda desse governo está aumentando e parece que repercutindo até nas entranhas do chamado Centrão, como se vê com a instalação da CPI da pandemia. Nos muros e postes de Ourinhos tem recados como: “A vida acima dos lucros” ou “Fora Bolsonaro e Mourão”.
Os recados cobram também do prefeito Lucas Pocay uma postura mais efetiva contra a pandemia. Essa cobrança deve ser resultado das mortes em escalada dos ourinhenses, bem como a ameaça de falta de remédios para a intubação de pacientes e o cemitério municipal que já está em colapso. Os decretos recentes publicados pela Prefeitura de Ourinhos estão se mostrando insuficientes para a contenção da pandemia na cidade. Apesar de o prefeito bloquear, em suas redes sociais, uma boa parcela da população, os muros estão falando: “Pocay, lockdown e auxílio emergencial municipal já!”.
Como a história e o próprio governo Bolsonaro-Mourão demonstra, os governantes que não se atentam ao apelo popular, tendem a decadência e ao descarte pelos próprios que os financiaram. As cartas estão em jogo.