Valorizemos a Mater (Mãe) de sangue e natureza

Domingo foi o Dia das Mães em Portugal (um beijão do tamanho do mundo para a minha). As lágrimas escorrem pela face pela ausência do toque, pela falta do abraço, pela saudade do cheiro de oito longos anos sem nos vermos fisicamente.

Desde que vim para o Brasil, não consegui voltar ao meu país e ver meu filho, minha mãe, meus irmãos e meus amigos. Não é falta de vontade, foram as vicissitudes da vida que assim atracaram o barco da minha vida. Não posso ficar com raiva, ficar deprimido, ficar triste, cansei de tudo isso, aceitei a vida como ela é, fui eu quem fez as escolhas, não as mais certas são lógicas, mas aprendi a aceitar a vida tal como ela é. Mas, mesmo longe, devemos lembrar dos nossos familiares, porque hoje, devido a pandemia, é uma benção tê-los conosco, mesmo distantes. Tem sido um tornado de mortes, de perdas que muitas vezes nos esquecemos que têm nome, rosto, família, laços de amizade.

Esta semana, ficou tatuado na minha pele tal fato, já que a minha colega de faculdade Regiane perdeu a mãe para a Covid-19. A cada momento que passa lembro das palavras dela em aúdio para mim, não consigo esquecer, não consigo tirar da minha cabeça, ainda ecoam. Já é difícil perdermos alguém, eu sei bem, lembro quando perdi o meu pai, agora perder para uma pandemia, sabendo que iríamos provavelmente conviver muitos mais anos com essa pessoa do nosso lado, nos consome, nos revolta, nos destrói mais ainda. Agora já estamos cada vez mais perto do vírus, cada vez mais surge um rosto amigo, um rosto familiar que foi acometido pela pandemia. Eu continuo praticando o isolamento, o distanciamento social, só saio para trabalhar, nem no mercado vou. Cada dia mais temos que valorizar os nossos familiares.

Falando em valorizar, o nosso Prefeito veio a público, no dia do Trabalhador, falar que diminuiu em 40% os cargos comissionados. As palavras devem ser usadas corretamente e nisso temos que concordar, o Prefeito usou sabiamente e perfeitamente as palavras. Relembro de uma frase que aprendi esta semana, o limite da liberdade de expressão surge quando começa a calúnia, por isso apresentemos fatos, nunca caluniando. Não convém é comentar quantas funções gratificadas criou e qual o peso no orçamento mensalmente que os cargos comissionados e as funções gratificadas possuem. Falou também que valorizou e reconheceu os servidores públicos, como alguém me disse uma vez, deve estar escutando as pessoas erradas. Há quantos anos os servidores públicos não têm aumento? Não conta o reajuste que é de lei e até isso foi retirado, mas o aumento de 3% da previdência teve a capacidade de colocar em prática, caso contrário as verbas federais não vinham. Falar que valoriza ao pagar antes do dia legal de pagamento acredito que muito servidor dá risada e trocaria tal benece por algo mais palpável. Criar um auxílio saúde de 20 reais, estou em crer que dificilmente alguém compre algum remédio de prescrição continuada. Valoriza o servidor ao colocar em cargos de confiança e funções gratificadas pessoas que praticam assédio moral e sexual a servidoras públicas, a servidores e a estagiárias?  Penso que deveria escolher melhor algumas pessoas, pela capacidade, pela competência e não somente por supostamente saberem segredos, por supostamente deverem favores, por amizade. É escandaloso o que está acontecendo, mas mais escandoloso é o Prefeito permitir que tais pessoas continuem no cargo. As pessoas têm medo de denunciar porque sabem do autoritarismo desta gestão, então as coisas vão-se sabendo pelos corredores dos departamentos da Prefeitura e da Sae. Falou que ampliou o quadro de servidores efetivos em mais 640, mas atenção que nas escolas, não somente mas também, tem muita falta de servidores, só fazer o levantamento presencial, não pelo número registrado nos dados. Tem muito servidor fora da sua função e os outros cumprindo as suas funções estão sofrendo, fazendo o trabalho de 3, 4 pessoas. Não podem reclamar porque dizem que o quadro está completo. 5 meses de gestão e tanto servidor arrependido do seu voto.

Em Ourinhos, temos 267 óbitos e o Prefeito reabriu (já estava, fingíamos que estávamos cumprindo regras) tudo de novo. Até já pensa em retorno das aulas presencias em junho, quando sabemos que a segunda dose da vacina está atrasada e a primeira ficou somente pelos profissionais com idade de até 47 anos, isto na Educação. Defendo que todo brasileiro deve ser vacinado, não por categorias, mas em rebanho, só assim poderemos respirar de alívio. Se as aulas retornarem acredito que assistiremos a um genocídio. Aliás todos os departamentos estão voltando. Se transparência fosse o mote desta Administração teríamos sabido o número exato de servidores infetados até a data. Tivemos departamentos com altíssimas taxas de infeção. Mas transparência é coisa que não estamos acostumados, quem sabe quando o Prefeito se candidatar a Deputado, o nosso Vice possa ser mais transparente, só tem que escolher bem a vice, cuidado. Os votos para Deputado serão bem menos que os que recebeu para Prefeito, muito servidor votou escutando a história do bônus e agora receberá de volta o presente envenenado, e não, não estou escutando as pessoas erradas, temos que ter a capacidade de escutar todo mundo, mesmo aquelas que tenham ideias contrárias as nossas. Muitas vezes, essas pessoas nos mostram a realidade, nos abrem os olhos e não camuflam as coisas como as que estão à nossa volta, que nos dão palmadinhas nas costas, que nos bajulam porque lhes somos úteis.

Por falar em utilidade, em Iaras as árvores deixaram de ter qualquer regalia, qualquer tratamento. Uma cidade com orçamento aproximado de 30 milhões de reais, está concretando tudo porque não tem quem trate da natureza. Se não tem servidores acredito que deveria abrir concurso ao invés de destruir a natureza. Cortar a natureza é o culminar de uma gestão ruínosa que começou em janeiro. Em 5 meses já mostrou ao que veio, a sua incapacidade de gerir, a incapacidade de dialogar para melhorar a cidade. Acredito que esqueceram da Lei Municipal nº 802/ 2018, não somente no quesito da supressão, como também da definição de arborização urbana. Lembremos da educação ambiental, do plantio de árvores, preservemos o meio ambiente, caso contrário a Secretaria do Meio Ambiente em Iaras será engolida pela Secretaria de Obras e Engenharia.

Hoje a vossa crônica foi mais para o lado do coração. A luta contra injustiças é uma bandeira que carrego, mesmo que as dores não sejam minhas. Tento sempre ajudar o próximo e mais rapidamente ajudo quando o próximo não tem voz, não tem capacidade, tem medo de enfrentar as injustiças que vive.

Finalizo do jeito que sabem, desta vez com uma frase de Lya Luft : ” Não queremos perder, nem deveríamos perder: saúde, pessoas, posição, dignidade ou confiança. Mas perder e ganhar faz parte do nosso processo de humanização.”

Pedro Saldida

Juliana Neves

Escrevo com a intenção de mudar o mundo ofertando a verdade para a sociedade. Mas a luta é diária e constante, realmente, vivendo e aprendendo e tendo o jornalismo como meu aliado.