Ourinhenses avaliam 2020, as expectativas e significado do Natal

A sensação é de ter enfrentado o pior ano e o Natal servirá de reflexões para dias melhores

 

Juliana Neves

 

Este ano é considerado atípico por toda a população, em razão de termos vivido os dias, minutos e horas em telas, de modo a estarmos mais presente virtualmente ao invés de sermos “on-line” na vida real. Pois a pandemia de coravírus fez alterações de planos, condições e situações em cada pessoa, em cada cotidiano, em cada vida. E isso fez com que o ano passasse mais rápido, que não tivéssemos tanta percepção das coisas e, de repente, já é Natal.

É algo que impacta nossos pensamentos e surgem novas reflexões e avaliações de como foi 2020, particularmente falando, o que nos espera para 2021 e, principalmente, o Natal, uma das festas de fim de ano, que pode ser ressignificado, ou não-depende de cada pessoa, por entendermos a importância de valorizar e estar com as pessoas que amamos e nos amam.

Diante desta situação, a nossa equipe de jornalismo conversou com alguns ourinhenses para saber o balanço das pessoas sobre o ano e o que espera para o Natal. Para o João Victor Pontes, estudantes, 23, a avalição do ano é negativa. “Foi um ano de muita tristeza para todo mundo por causa das vidas que se foram e de todas as mudanças sociais que vieram repentinamente com a pandemia. Entretanto, até os momentos ruins em nossas vidas podem ser encarados como aprendizado e torço para que consigamos sair da pandemia já em 2021 muito melhores do que quando entramos (como indivíduos e como sociedade)”, fala o rapaz.

Assim, o Natal para ele será de reclusão e introspecção por estarmos enfrentando mais uma onda de contaminação do vírus. Desta forma, a celebração ao Natal será de forma reduzida baseada na oração pela humanidade, independente da crença de cada um.

A farmacêutica, Lairinny Rodrigues, 24, afirma que foi um ano bom, mesmo com todas as dificuldades enfrentadas. Mas “o meu Natal será triste por não conseguirmos reunir todos da família que desejávamos. E acredito que servirá de reflexão para que busquemos e vivamos sempre o lado bom das situações e momentos”, exclama a jovem.

Jonas Correia Pintangueira, estudante, 26, explica sem dúvida alguma que nunca viveu um ano tão complicado, porém ele se encerra com otimismo e a com a certeza de muito aprendizado adquirido perante as dificuldades enfrentadas. “O Natal deste ano será voltado para a compreensão e carinho, porque esse afastamento forçado fez com q déssemos mais importância para o abraço que faz falta, ouvir o outro e a prática do respeito mútuo”, diz o estudante.

Certamente, para Luan Vinicius Rocha, estudante, 22, 2020 foi o ano que nos provou que o amor é se auto cuidar e cuidar do próximo, “o ano para nos tornar mais fortes e revolucionar a humanidade. E o Natal para mim é uma data muito especial, onde a família é o maior presente e, apesar do ano atípico, o meu Natal será apenas com minha família mais próxima e com muita paz e felicidade”, conclui.

E a Vanesa Campos, arquiteta, 30, descreve 2020 como “um ano difícil pelas perdas de pessoas queridas, porém um ano de muito aprendizado, renovação de fé, esperança, um ano de mais humanidade e empatia. E o Natal nos lembra do nascimento de Jesus, e com isso a esperança de dias melhores, será um Natal onde faltarão pessoas queridas, por isso será triste”.

Por fim, para Isabeli Yumi, estudante, 24, “eu acho que com tudo que aconteceu poderia ter sido um ano muito ruim, mas para mim foi bom, aprendi muito, me desenvolvi bastante. Já em relação ao significado do Natal, não acho que tenha ressignificado muito, mas o contexto faz ter uma percepção diferente das coisas e a sensação é de que passou muito rápido e o Natal já chegou, mas o significado em si não mudou para mim e é o meu feriado favorito. Acredito que será tranquilo e cheio de coisas para fazer em relação a minha faculdade”, explica.

APOIE

Seu apoio é importante para o Jornal Contratempo.

Formas de apoio:
Via Apoia-se: https://apoia.se/jornalcontratempo_apoio
Via Pix: pix@contratempo.info