População avalia a atual gestão e o previsível resultado da eleição

De modo geral, ourinhenses estão esperançosos com a resolução da crise hídrica, independente do candidato que será eleito

 

Juliana Neves

No dia 15 de novembro será realizada a Eleição Municipal 2020, momento em que a população vai até às urnas para escolher o próximo representante, por quatro anos, para prefeito e vereador. É um ato de muita responsabilidade e cuidado, afinal escolheremos o político para nos dar voz e fazer com que haja evolução no município.

E muito antes dos candidatos iniciarem as suas divulgações oficiais, já havia muita especulação nos possíveis nomes ganhadores. As pessoas iniciam seus comentários antes do mês de eleição e alguns boatos podem surgir na cidade.

Mas para termos uma melhor ideia sobre o que os ourinhenses estão pensando e avaliando sobre esta decisão eleitoral é preciso ir até às ruas e conversar com as pessoas. Após esta pesquisa, foi possível inferir que as pessoas possuem ideais bem definidos.

Lembrando que em Ourinhos a disputa entre os apoiadores de cada candidato é forte e mobilizam a população, por isso que a identidade de nossos formadores de opiniões será preservada, sem exposição. Para que não surja nenhum problema para os cidadãos.

Primeiramente, a atual gestão é avaliada como satisfatória para uma pedagoga, porque o prefeito investiu na educação com sistema apostilado para o fundamental e materiais e livros para o infantil. Algo que estava esquecido por muito tempo.

Em relação aos vereadores, a professora infantil destacou o “o vereador Alexandre Zóio, que teve um olhar em relação aos professores em muitas questões que estavam paradas na Câmara”. E espera que os futuros a ocuparem as cadeiras no Plenário sejam cada vez mais por mulheres, e que elas não cumpram somente “uma ajuda” para o partido atingir a cota. Além de que a Câmara necessita de mais representantes dos professores e da causa animal.

Ao fim da eleição, a esperança é que o candidato eleito não pense no que os antecessores produziram ou não fizeram, porque o futuro é o agora e a cidade necessita de prioridade na área da educação e saúde.

Opinião quase semelhante do bacharel em direito e estudante de ciências sociais, que avalia Lucas Pocay como um ótimo gestor que resolveu impasses de gestões passadas, mas ainda há muito a ser melhorado.

Sobre o resultado da eleição, a resposta é certeira ao dizer que “pelo o que eu tenho visto, o Lucas é o favorito à reeleição e, tendo em vista o outro candidato, ele merece mesmo. O Robson é capacitado na área da administração de empresas e parece ser competente, apesar de apoiar abertamente ideologias que eu repudio veementemente. Entretanto, ele não tem experiência na gestão pública até onde eu sei. Na gestão pública é preciso começar de baixo para obter experiência”, fala o estudante. Certamente espera uma continuação da atual gestão e que, principalmente, a crise hídrica seja resolvida com urgência com uma Superintendência de Água e Esgoto (SAE) mais eficiente e 100% pública.

Salvo que a administração do atual prefeito também é avaliada como boa para um psicólogo aspirante ao design gráfico, e espera que no futuro o prefeito cumpra com as recomendações das principais autoridades de saúde, pois a pandemia ainda será uma realidade por muito tempo.

Alguns não são felizes e nem tristes com a administração de Lucas Pocay, como na visão de uma escritora em que afirma a necessidade de muitas melhorias. “Os dois candidatos a prefeitura são regulares. Até simpatizo com o Robson Sanches, mas pelo fato de ele ser eleitor do Bolsonaro, não irei voltar nele. E acredito que temos candidatos à vereança com excelentes propostas para a cidade”, sugere a profissional.

No futuro a esperança é uma só, de que o prefeito eleito cumpra, de fato, com suas promessas e resolva, o mais rápido possível, o problema de falta de água na cidade. Além de que a escolha para os cargos de confiança seja baseada em critérios rígidos, para que não tenhamos pessoas que simplesmente promovem um volume na prefeitura.

Para o engenheiro biotecnológico, a gestão é considerada regular pelo motivo da falta de uma maior diversidade de opções de projetos para o município. Sendo assim, espera que o candidato a prefeito eleito “incentive a indústria local e promova a atração de empresas de diferentes ramos para estimular a criação de empregos, que resolva os problemas relacionados à gestão dos recursos hídricos, que invista em educação de qualidade, formação de profissionais de saúde, segurança e qualidade de vida/lazer”, fala o engenheiro.

De acordo com dicotomia de opiniões existente na cidade, o professor universitário conclui que a atual gestão “é marcada pelos depoimentos do prefeito nas mídias sociais que não correspondem com a verdade e, no entanto, não se consegue contestar os fatos, pois são colocados de forma a não permitir contrariedade. No mais, foi igual as outras cheias de decisões da Câmara em favor da prefeitura sem considerar a população. E eu espero que, se houver reeleição ou nova eleição, o problema da água e muitos outros sejam resolvidos o mais rápido possível”.