AGORA A ÁGUA

Por Pablo Lawrence

As estações do ano se completam assim como a nossa vida. Criar a consciência de que somos natureza possibilita a compreensão integral dos biociclos.

Represa do Rio Paranapanema – Fotografia Jardel

Quando pensamos no globo terrestre, o ciclo hidrológico é fundamental para o funcionamento em equilibro desse sistema. Nesse novo período de primavera receberemos mais água e a sua utilização seguirá com delicados cuidados.

Desse modo, a necessidade de ter áreas para a absorção de água no solo é de extrema relevância, apesar disso, com o crescimento da urbanização muitos dos espaços foram e continuam sendo impermeabilizados, assim, impedindo a entrada de água no subsolo, isso é uma das principais causas das enchentes dentro das cidades.

Locais com árvores, canteirinhos de ervas, legumes, flores, verduras e ou plantas, em nossos quintais, nas calçadas e terrenos baldios são formas de cooperar para o ciclo da água, assim como, a agricultura familiar inspira ao realizar cultivos diversificados, atitude, essa que possibilita maior quantidade de infiltração de recuperação da água nos horizontes da terra.

Com isso, podemos proporcionar prosperidade para a hidrosfera ao plantar água, expressão utilizada na ciência da Agroecologia que se espelha nos saberes ancestrais do campo. E, essa sistematização de conhecimento propõe uma funcionalidade que promove uma quebra dos atuais produtos, meios de comercialização, irrigação, sementes e práticas de manejo que as grandes corporações da agricultura pop impõem, dessa maneira, as agricultoras e agricultores criam sua própria autonomia.                                                  

A nossa alimentação consiste na utilização de água para a produção de alimentos, de acordo com os dados da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) no informativo sobre A Água que você não vê, demonstra que para a produção de 1kg de manteiga utiliza 18.000 mil litros de água, 1kg de carne de boi 17.100 litros, 1kg de queijo 5.280 litros, 1kg de carne de frango 3.700 litros, 1kg batata 132,5 kg, 1kg de banana 499 litros e etc.

Rio Paranapanema -Fotografia Pablo Lawrence

Os estudos de hidrogeografia demonstram como o recurso natural água está localizando no planeta em que vivem os seres humanos, conforme a Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA) ‘’estima-se que 97,5% da água existente no mundo é salgada e não é adequada ao nosso consumo direto nem à irrigação da plantação. Dos 2,5% de água doce, a maior parte (69%) é de difícil acesso, pois está concentrada nas geleiras, 30% são águas subterrâneas (armazenadas em aquíferos) e 1% encontra-se nos rios’’. 

Consequentemente, apenas 1% da água doce que temos disponível no globo terrestre é a que utilizamos em nosso dia a dia, assim como, é a mesma usada para a manutenção da agricultura. A água é fator vital para nossa vida, por isso vale-se lembrar que nosso corpo é 70 % água, mesmo que quisermos sem água potável não temos a possibilidade de manter nossas vidas.

Por conseguinte, as sementes necessitam de água para germinar, assim como, as plantas precisam de água para se desenvolver, e, o corpo humano precisa de água para respirar, do mesmo modo, que a produção de alimentos apenas é possível com água, observa-se que a água é unipresente e fundamental para a vida.

Nessa perspectiva, estamos no presente do futuro, nossas ações são aqui e agora fundamentais para o amanhã. E, enquanto a Organização das Nações Unidas (ONU) propõe os objetivos de desenvolvimento sustentável na agenda 2030, cabe a nós fazermos nossas práticas sustentáveis, uma maneira é apoiar a agricultura camponesa, pois, proporciona possibilidade de melhor aproveitamento dos recursos hídricos e, ademais, benefícios para a saúde do ser humano e do planeta água terra. 

APOIE

Seu apoio é importante para o Jornal Contratempo.

Formas de apoio:
Via Apoia-se: https://apoia.se/jornalcontratempo_apoio
Via Pix: pix@contratempo.info