Coletivo ENFRENTE! promove evento em comemoração do Mês da Consciência Negra

A discussão sobre a desigualdade racial e o racismo devem ser permantentes. No entanto, em novembro, o mês é especial e tradicionalmente dedicado para fomentar o debate sobre as relações entre os diferentes contextos raciais do nosso país, em especial, sobre a desigualdade que permeia entre indivíduos negros e não negros.

O debate é muito atual! — No Brasil, em 2019, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), com a pesquisa “Desigualdades Sociais por Cor ou Raça” mostrou que pretos e pardos compõem 56% da população brasileira. A essa parcela majoritária da população são atribuídos os piores indicadores de renda, de moradia, escolaridade, serviços, etc.

De acordo com o Atlas da Violência 2020, a taxa de homicídios entre negros cresceu 11,5% de 2008 a 2018, enquanto a de não negros caiu 12%. Ao todo, os negros somam 75,9% dos assassinados entre este período.

Considerando faixa etária e gênero, esses números também mostram uma relação grande de desigualdade: em 2018, 68% das mulheres mortas eram negras. Os homens negros jovens representam mais da metade do número de jovens mortos.

O Mês e o Dia da Consciência Negra (20 de novembro) destacam as discussões e ações para combater o racismo e a desigualdade social no país. Esta é uma oportunidade de espaço — que deve permanecer por todo o ano — para contar a História da perspectiva da população negra, além dos avanços das lutas antirracistas e a exaltação da cultura afro-brasileira.

No território ourinhense, o Coletivo ENFRENTE! organiza dois encontros culturais com rodas de conversa e convidados especiais para o mês de novembro em 2021. Todos estão convidados a participar. Acompanhe a agenda:

Os encontros serão nos dias 17 e 20 de novembro, no Instituto Orquestra Sinfônica Nacional Brasileira (OSNB), na Avenida Domingos Carmerlingo Caló, 1289.
Dia 17 às 19:30 horas
Roda de conversa com o tema:
Movimentos sociais, cultura e juventude. Com a participação de:
-Lídia Neves Miranda
Psicóloga Clínica e Social, atualmente coordena o CRAS IV e é Conselheira municipal do CMDCA em Ourinhos.
-Junio Farias
Estudante de História na UENP, é de religião de matrizes africanas e atua nos movimentos negro e social na cidade.
-Dom Eduardo Vieira, bispo da Diocese de Ourinhos.
Para as apresentações culturais, o grupo musical Tons Afro – Andreisy Natel, Jessica Prado, Vanessa Gomes e Vanessa Monteiro, e da Tamires Regina Paulino, estudante de Letras e escritora.
Dia 20 às 17 horas
Roda de conversa com o tema:
Educação, trabalho e políticas públicas. Com a participação de:
-Antonio Donizeti Fernandes
Professor de Pedagogia da UENP e do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião e Coordenador do Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indigenas “Beatriz Nascimento” (UENP). Desenvolve pesquisas no campo da Sociologia da Educação, Antropologia, História da África e Relações Raciais.
-Carla Souza
Advogada, especialista em Direito previdenciário e Direito
processual civil. Atua como presidente da Comissão da Verdade e da Escravidão Negra no Brasil da OAB/SP da 58ª Subseção de Ourinhos/SP e é membra efetiva da Comissão Especial da Verdade sobre a Escravidão Negra no Brasil da OAB/SP.
-Carla Caroline
Jornalista.
As rodas de conversa serão mediadas pelo maestro, diretor artístico e regente titular da OSNB, Jeferson Bento.
As apresentações culturais desse dia ficarão por conta da professora de música, cantora, mãe e estudante universitária na UENP – Jacarezinho, Vanessa Machado e por Victor Correa Leite – MC VEMCIDO, rapper e trapper.

Comentários no Facebook