Entidade que cuida de pacientes com diabetes tem convenio encerrado pela Prefeitura

Portadoras de diabetes associados a ADO – Associação dos Diabéticos de Ourinhos foram surpreendidas na terça-feira (30) por um oficio endereçado ao presidente da Associação, no qual a Prefeitura de Ourinhos se manifesta pela não renovação do termo de colaboração financeira com a entidade cujo contrato de vigência se encerrou no dia 31 de maio de 2022.  Apenas um dia antes de dar por encerrada a parceria firmada há um ano.

Em atividade desde 1993 a ADO presta atendimento médico especializado para milhares de diabéticos associados com suporte constante não só com fornecimento de medicamentos mantendo a disposição consultas periódicas com endocrinologistas, nutricionistas, enfermeiros e demais profissionais para o acompanhamento, orientação e tratamento especializado.

Com a decisão da prefeitura de cessar os repasses mensais que custeiam o atendimento, os pacientes que dependem dessa prestação de serviço pela associação estão apreensivos e cheios de incertezas. Temem que ao deixarem de ser atendidos pela ADO ocorra a precarização da assistência diferenciada, desestabilizando e fragilizando o atendimento de qualidade que vinham recebendo se o mesmo for feito pela Secretaria de Saúde do município.

O documento assinado pelo atual Secretário de Saúde, Donay Neto, dá por encerrado o termo de compromisso entre as partes em 31 de maio, sendo que a partir da quarta-feira, 1º de junho, a responsabilidade pelo atendimento ambulatorial aos diabéticos passa a ser da prefeitura.

Em um trecho confuso, sem apresentar motivos, com menção a várias atividades de assistência a saúde estranhas a entidade, como atendimento a “pessoas com deficiência física, abordagens e oficinas terapêuticas, acometimentos de síndromes, traumas”, serviços que não são prestados pela ADO, o documento menciona que a prefeitura assumirá o atendimento a pessoas acometidas de diabetes em Ourinhos em espaço que ainda não existe, mas, que já “está sendo providenciado”.

Segundo Júlio Cesar Benato, vice-presidente da ADO, ouvido pela reportagem do Negocião, a associação foi pega de surpresa, pois vinham tratando com a Secretaria da Saúde já há cerca de três meses os termos para renovação.

Nas negociações a ADO buscou ajustar vários pontos do novo contrato, valores, a questão de funcionários, entre outras, seguindo a orientação da Procuradoria Jurídica do município e Secretaria de Saúde. Depois de várias tratativas adequou-se o repasse de R$70 mil apresentado para análise da procuradoria, disse Benato.

Julio Cesar Benatto vice presidente da ADO

“Havia um diálogo muito favorável com o secretário Donay, fizemos todos os ajustes recomendados e levamos para eles olharem, disseram que estava tá tudo ok certinho e iriam mandar para Procuradoria para dar o parecer, após isso seria fechado o contrato. Ficamos aguardando, mas na segunda-feira fomos surpreendidos com esse oficio comunicando o encerramento e a não renovação. Fizeram-nos de trouxas, deveriam ter nos comunicado com pelo menos 30 dias de antecedência para que pudéssemos nos precaver. Se já tinham essa intenção deveriam ter nos avisado, fomos enganados o tempo todo”, reclamou Júlio Cesar.

Na manhã de quarta-feira, um grupo de associados da ADO, membros da diretoria e assessoria jurídica tentaram uma audiência com o prefeito, que acabou não ocorrendo. Uma reunião foi agendada para esta quinta-feira (2/6), às 11h00 horas na Prefeitura com o Secretário de Saúde e o assessor jurídico André Constante.

Os desentendimentos entre a associação e a administração municipal se desdobram desde meados de 2021 quando a prefeitura diminuiu o valor da transferência, de cerca de R$62 mil para R$54 mil, ainda deixando de pagar valores correspondentes há dois meses que ainda não foram repassados.

 

APOIE

Seu apoio é importante para o Jornal Contratempo.

Formas de apoio:
Via Apoia-se: https://apoia.se/jornalcontratempo_apoio
Via Pix: pix@contratempo.info