Quentinhas da Semana

Bloco de oposição??

Cresce a cada dia os rumores de que poderia surgir uma candidatura única de oposição para enfrentar o prefeito Lucas Pocay ( que concorre a reeleição) nas eleições municipais deste ano. De acordo com informações obtidas pelo Contratempo, é consenso entre as principais lideranças de oposição que a única forma de bater Pocay nas urnas será uma união de todos partidos e grupos de oposição em torno de um único nome. Já existe sugestão para realizar uma pesquisa com os principais nomes dos possíveis pré- candidatos a prefeito e que a escolha recaia sobre o que tiver melhor desempenho e menor rejeição do eleitorado. O grande desafio será deixar as divergências político- partidárias de lado e interesses pessoais, em prol de um projeto maior que vise resgatar o crescimento da cidade e se coloque como opção a gestão atual. O Contratempo apurou ainda que já aconteceram várias conversas  sobre o assunto e que pode surgir alguma novidade concreta no mês de março.  Correndo contra o tempo, já que o prefeito Lucas Pocay segue sozinho como único pré- candidato a prefeito, com exceção do professor Robson Sanches, que foi o quarto colocado nas eleições de 2016,  as lideranças de oposição tem pressa em definir rapidamente um nome e colocar a pré- campanha ” na rua”.

“Crescimento” negativo?

 Na semana passada, o ministério do Trabalho e do Emprego divulgou os dados do  Cadastro Getal de Empregados e Desempregados, em que foi constatada uma diminuição do número  de empregos na microrregião de Ourinhos que perfaz um total de 18 municípios, no mês de dezembro de 2019. Neste período foram feitas 1.694 admissões e tiveram 2.512 demissões, gerando um saldo negativo de 818 desligamentos a mais do que contratações.

Proporcionalmente os municípios que apresentaram pior desempenho foram: Ipaussu ( 215), Chavantes (101), São Pedro do Turvo(91), Bernardino de Campos (101), Taguaí (102), Santa Cruz do Rio Pardo (140) e Ourinhos (200). Apenas Timburi teve saldo positivo de 24 empregos a mais que demissões

Esses números num mês que normalmente é considerado um período do ano com maior número de contratações, demonstra que ao contrário do que é apregoado pelo governo federal,  de que vivemos um momento de crescimento da Economia e do número de empregos formais, a realidade ainda é muito dramática não apenas na nossa região, mas em todo o país.

Fonte: jornal Biz