REPOST: Mujica de muitos carnavais

Por FERNANDO LICHTI BARROS

À frente de um quarteto, o trompetista Mujica destrincha por duas horas um repertório de marchas, frevos e sambas, seguido na calçada da Avenida Brigadeiro Luís Antônio por alunos de uma escola infantil.

Concluído o trabalho, embarca no metrô rumo a Itaquera, e de lá segue para casa, em São Miguel Paulista. No Carnaval, vai garantir a trilha sonora do Bloco Bastardo em desfile pelo bairro de Pinheiros.

Nascido na Bahia em 1942, começou na infância a tocar em bailes. Profissionalizou-se, saiu por aí e parou em São Paulo.Tempos difíceis.

No começo da década de 70, policiais o cercaram na Praça da República, de onde pretendia chegar ao local de trabalho – a boate Michel, na Boca do Luxo.

Para se identificar, apresentou a carteira da Ordem dos Músicos. Não foi uma boa ideia. Ao ser jogado num camburão, soube que, para evitar constrangimentos como aquele, de tão grosso calibre, era preciso ter um outro documento, expedido pelo Departamento de Censura, na Polícia Federal. Coisas da ditadura.

O trompetista tratou de cumprir a exigência. Apresentou-se com a papelada: Dermival Souza de Oliveira, nascido na Chapada Diamantina, município de Jacobina etc e tal. Faltava o nome artístico.

– É Mujica – ele disse, lembrando-se da sugestão dada pelo cantor Eduardo Araújo de adotar um apelido que, mesmo vagamente, o associasse a Mogi das Cruzes, onde então morava.

Nas orquestras de Sylvio Mazzucca e Clovis Ely, no grupo Os Brazões, no Avenida Danças, no Cartola, no Clube Homs, em todos os lugares Dermival passou a ser Mujica.

Mujica, o trompetista que, após a Quarta-Feira de Cinzas, desfeitos sonhos e fantasias do Carnaval, será tudo o que lhe soar como dever de ofício.

Dê-lhe um sombrero e ele será mariachi.

Leia também no blog: https://aoredordosom.blogspot.com/2017/02/mujica-de-muitos-carnavais.html?m=1