Pequena definição de Fotografia.

A fotografia é um processo em duas etapas de geração de uma imagem fixa (estática), e estabilizada (quanto ao processo químico), denominada aqui de Matriz-Fotográfica. Após a criação desta matriz-fotográfica o fotógrafo ainda é capaz de controlar diversos processos para geração da cópia-fotográfica.

A primeira etapa do processo é de natureza física, a formação da imagem-fotográfica projetada sobre uma superfície sensível. Esta formação se dá através de uma câmara escura contendo um orifício ou conjunto óptico para criação da imagem-fotográfica.

A segunda etapa, a da fixação desta imagem-fotográfica pela superfície sensível, é executada por dois métodos distintos, mas igualmente eficazes em seu objetivo, que são: por processos químicos ou processos digitais. Contendo variações e técnicas específicas para cada um deles.

O processo fotográfico, em duas etapas, é iniciado quando a imagem-fotográfica é projetada sobre a superfície sensível, o instante do clic, e se encerra na obtenção da matriz-fotográfica. É certo que o processo pode se estender além da cópia-fotográfica, porém nunca se encerra antes da matriz-fotográfica

O processo químico concluído, estabilizado, originará uma matriz-fotográfica material, objeto onde a matéria constituinte e a imagem fixada e estabilizada se tornam indissociáveis. A matriz-fotográfica material, por sua vez, receberá suas próprias divisões.

Quanto a superfície sensível: em intransferível (superfície opaca) ou transferível (superfície translucida). Na primeira, o processo se encerra na criação da matriz-fotográfica positiva e intransferível. Passível de observação direta. Sendo objeto opaco, papel ou placa de metal, impossibilita que a imagem-fotográfica seja projetada sobre nova superfície sensível, afim de criar cópias-fotográficas. Esta matriz-fotográfica material é a própria cópia-fotográfica de observação pelo espectador. A segunda, transferível, é de suporte translucido, vidro ou película plástica, permitindo a projeção da imagem-fotográfica para visualização direta ou em nova superfície sensível gerando uma cópia-fotográfica.

Agora quanto a imagem, se divide em positiva e negativa, onde, na primeira, a imagem está registrada de forma inteligível, considerando a leitura de áreas claras e escuras na cena fotografada e imagem-fotográfica resultante na matriz-fotográfica material. A negativa se apresenta com inversão entre luz e sombra, necessitando para visualização ordinária e inteligível a realização de cópia positiva da imagem-fotográfica, apenas matrizes-fotográficas materiais translucidas geram tal tipo de registro, porém não apenas este tipo.

No processo digital é criado uma matriz-fotográfica digital, arquivo de código binário que traduz a decomposição da imagem-fotográfica em pixels. Esta sempre necessitará de suporte, de interface gráfica entre a fotografia-digital e espectador, bem como um programa específico que traduza o código binário que compõe o arquivo da fotografia-digital. Ou a impressão da fotografia-digital, criando-se uma cópia-fotográfica material proveniente de uma matriz-fotográfica digital.

Projeção de matriz-fotográfica material translucida ou fotografia-digital em interface gráfica serão sempre consideradas cópias-fotográficas efêmeras, pois não se sustentam por si só.

Basicamente Fotografia é unir, em ato conjunto e premeditado, o formar e registar uma imagem visível, fixa, estabilizada, através da irradiação luminosa, visível ou não, a olho nu. Explicando-se assim a fotografia infra-vermelho ou ultra-violeta.
-Tendo como ponto de partida o processo, que se iniciou muito antes da primeira fotografia, ou matriz-fotográfica, esta é a minha breve definição. Deixemos para logo o debate da finalidade e consequência da abundância de fotografias no nosso mundo.

 

Roberto Kaihara,  23/24 de Agosto de 2016.