Terrinha

Sou do interior do meu estado.

Nasci  perto de um rio,

cresci em ruas de terra.

Descalço até os 10 anos

não por necessidade, não.

Mas por gosto mesmo.

Não sou de família abastada,

mas farta de amores.

Cresci no meio do pomar:

mangas, jabuticabas, acerolas e caquis.

O limoeiro era do vizinho,

mas considerava nosso.

Jogava bola e peão,

batatas na fogueira,

tacos na rua

e muitas brincadeiras.

Muito jovem me fui.

Nem o amor eu conhecia.

Me perdi nesse caminho

muitas esquinas haviam nesse caminho.

Vaguei anos.

Me esqueci de meus anos

do meu primeiro eu.

Viajei estados.

Para cima, para baixo, para os lados.

Mas hoje compreendo:

que deixei,

não esqueci,

tudo o que sei,

lá eu aprendi.

O cotidiano poético de Roberto Kaihara.

APOIE

Seu apoio é importante para o Jornal Contratempo.

Formas de apoio:
Via Apoia-se: https://apoia.se/jornalcontratempo_apoio
Via Pix: pix@contratempo.info

Comentários no Facebook