Vivemos em uma época esclarecida?

Não. Vivemos uma época de esclarecimento. Já dizia Kant[1] em 1783[2]. Hoje pouco mudou. Ainda vivemos em esclarecimento. E acredito podermos dividir toda a população em três nichos:

Os esclarecidos, os em esclarecimento e os não esclarecidos. Estes, que segundo o próprio Kant, vivem na menoridade racional, sem autonomia de pensar e agir livremente. Sempre atados a alguma ideologia avessa ou dogma tradicional, seguem sob tutela de outro. Seja o estado ou a religião; hoje, a mídia e afins.

O ser não esclarecido segue sua vida sem timão, sendo guiado, puxado por aqueles que usam de seu esclarecimento para manipula-los e assim satisfazer seu desejo de poder.

Este menor racional, não esclarecido, assim se encontra, se não por ausência de entendimento, mas por preguiça e comodidade, é o culpado por ser quem é. É mais fácil levar a vida, ou como dizia o sambista “deixar a vida me levar”, sem as preocupações das decisões e suas consequências. O seu oposto, o maior racional, o ser livre, age e pensa segundo suas próprias ideias. Formula essas ideias a partir do todo em que vive, vê tudo, analisa a tudo, e busca coerência entre ser e existir. Até aqui não há novidades. A novidade encontro nos pseudo-esclarecidos contemporâneos. Esses sim são perigosos.

Eles se encontram numa classe média em sentido amplo. Medianos racionais. São informados, com anos de estudo tradicional, acesso a cultura e bens de consumo. O que lhes falta é julgamento. Capacidade de relacionar tudo o que encontram e filtrar o joio do trigo[3], pois a tudo ouvem e a tudo vê, mas ainda assim são cegos e surdos `a voz da razão.

São perigosos pois são ativos na sociedade e detém uma parcela de poder. Estes se esquecem do jogo como um todo, e empenham-se em derrotar um inimigo a qualquer custo, mas não um inimigo culpado. Impedem uma presidente legitima, e impedem sem base jurídica; elegem não por escolher o melhor, mas para derrotar seu inimigo declarado. Estes lutam e dão a cara a tapa para defender a ideologia de seus tutores. E por agirem assim, com uma consciência deturpada, são menores racionais, piores que os citados antes, pois os pseudo não o são por comodidade ou falta de entendimento, estão por vontade própria, creem ser quem não são, creem ser a máscara e não a face.

Agora enfim penso, vivemos numa época esclarecida? Não. E pior, vivemos numa época de escurecimento. Os medianos chegaram perto da autonomia, sentiram medo, regrediram. Hoje buscam com saudosismo, onde o tradicional é melhor que o atual, buscam reavivar valores perdidos. Assim conseguimos bancadas evangélicas, da bala, ruralistas, moralistas, bolsonaristas, ridículos. Mais fechados em seu campo de visão, do que a bancada existente durante os anos de ditadura.

Resta-nos a luta.

Sapere aude![4]

[1] Immanuel Kant – Filósofo – 1724-1804

[2] Resposta a pergunta: Que é esclarecimento (Aufklärung)? – 5 de Dezembro de 1783

[3] Mateus, 13

[4] Ousa saber!