Um espectro ronda o Planalto: o paradoxo de Bolsonaro

Por Maurício Saliba

Bolsonaro vive um de seus piores momentos, mas não se trata da Covid, é algo politicamente mais complicado.
Ele sabe que sua sobrevivência política depende de “alimentar o gado”. Como se alimenta o gado? É uma tática: As fake news criam os inimigos: esquerda, China, STF, Maia, abortistas,  e ele ataca esses “inimigos” fazendo seu gado sentir-se seguro e protegido.
Mas nesse momento surgiu um problema: os bandidos das fake news, comandados pelo gabinete do ódio, estão sendo presos e processados. Até o Facebook descobriu a quadrilha. Do outro lado, Bolsonaro está acuado pelo impeachment, pela cassação da chapa ou pelos constantes revezes no Supremo. Já percebeu que pode ser afastado e recuou.
Assustado, não pode mais alimentar seu gado, que aos poucos se afasta, desamparado e frustrado.. Ao mesmo tempo, não consegue governar (sem projeto, programa ou competência – por isso nunca foi aos debates). Perdido, cansado, com a polícia no seu encalço e de sua família, caminha calado pelo palácio como um espectro.
Bolsonaro desmancha-se aos poucos, como um pesadelo, que se desmancha quando os olhos começam a abrir. No futuro, será apenas mais uma mácula da nossa história, como a escravidão, as ditaduras e os genocídios.