125 ANOS DO CINEMA BRASILEIRO: 10 FILMES ESSENCIAIS

Por Bruno Yashinishi

No mês de junho de 2023, o cinema nacional brasileiro completou 125 anos de existência. Muito já foi feito e ainda há muito que se fazer. Infelizmente, ainda persistem debates a respeito da qualidade das produções cinematográficas brasileiras, que tendem a compará-las às superproduções internacionais, principalmente as de Hollywood. Reiteradamente, essa comparação tende a menosprezar os filmes nacionais, justamente por se fundamentar em critérios analíticos superficiais, ou ainda, mediados pela “doutrinação” das percepções estéticas estabelecida pela indústria cinematográfica estadunidense.
Entretanto, não será necessário explanar aqui as objeções ao menosprezo por filmes brasileiros, tampouco discorrer exaustivamente em busca da defesa do cinema nacional. Filmes brasileiros são bons sim! O cinema nacional é maravilhoso! Precisamos valorizar nosso patrimônio cultural cinematográfico!
Posto isto, esse texto selecionou alguns filmes considerados essenciais para conhecer e venerar o cinema brasileiro. Listar nem sempre é uma tarefa fácil, justa e/ou agradável. Sempre alguma coisa fica de fora ou os critérios utilizados são mais subjetivos do que objetivos. No entanto, pensamos em elencar 10 obras da cinematografia nacional, apresentados de forma cronológica, que permita uma iniciação e, ao mesmo tempo, um mergulho nas profundezas dos 125 anos dos filmes brasileiros.
1 – “Limite”: Direção: Mário Peixoto. Ano: 1931.
2- “O cangaceiro”: Direção: Lima Barreto. Ano: 1953.
3- “Jeca Tatu”: Direção: Milton Amaral. Ano: 1959.
4- “O pagador de promessas”. Direção: Anselmo Duarte. Ano: 1962.
5- “Deus e o diabo na Terra do Sol”. Direção: Glauber Rocha. Ano: 1964.
6-“À meia noite levarei sua alma”. Direção: José Mojica Marins. Ano: 1964.
7- “Dona Flor e seus dois maridos”. Direção: Bruno Barreto. Ano: 1976.
8- “Central do Brasil”. Direção: Walter Salles. Ano: 1998.
9- “Cidade de Deus”. Direção: Fernando Meirelles. Ano: 2002.
10- “O som ao redor”. Direção: Kleber Mendonça Filho. Ano: 2013.
É evidente que esse “top 10” é limítrofe. Existem outras grandes produções, do passado e do presente, que poderiam ser inseridas nessa lista. E você? Qual é seu filme brasileiro favorito?