“O Poder corrompe (modifica) até os ideais das pessoas” Por Pedro Saldida

 

Pedro Saldida é Servidor público, Bacharel em administração

Esta semana assisti a uma luta ideológica, e não de princípios e valores de Vereadores ditos da base do Prefeito da nossa Cidade. O tema que gerou tal guerra de palavras foi nada mais nada menos que a Rodoviária de Ourinhos. Não consegui acreditar até agora que escutei Éder Mota e Anísio Felicetti, em entrevista para um meio de comunicação que já foi “oposição” da Gestão, e deu tempo de antena para dois Vereadores explicarem que a oposição à  Gestão é irresponsável, e os Vereadores puderam defender o indefensável. É mentira que a Rodoviária está abandonada? É mentira que a Gestão é a mesma e nada fez? Usar argumentos como a Gestão ser diferente e que o Prefeito vai fazer este ano é de uma soberba falta de carácter. Parece que a Gestão finalmente decidiu trabalhar, mas só este ano, porque os outros sete anos andou fingindo que geria os destinos da nossa Cidade. Os Vereadores da base chegam a roçar o cúmulo da ignorância ao tentar mostrar que a Gestão está fazendo tudo bem.

Falam do asfalto, vamos lá com casos concretos. Passem no Orlando Quagliato e vejam como taparam buracos perto da escola; com asfalto não foi. Andem pela Cidade toda, e não somente por lugares estratégicos e vejam as condições de algumas estradas. Aproveitem e vejam toda a Cidade e os fios caindo dos postes. Circulem também por todas as praças, mas todas mesmo, quadras inclusive e sejam honestos nas palavras. A Cidade melhorou? Melhorou em alguns aspetos, mas o abandono é por demais evidente, até na Rodoviária que já foi um cartão postal da Cidade, e que, da última vez que visitei, era um cheiro de urina humana insuportável.

Falarem do Restaurante Popular como bandeira política é sinal de falta de bom senso. O Restaurante Popular é um sinal claro de más políticas públicas e, mais uma vez, tem verba federal sim, não foi a Gestão que criou porque estava preocupada com a população. É só andar pela Cidade e as pessoas verão quem está mentindo. Veja-se o ridículo da Gestão ao pretender gastar 23 milhões de Reais para ampliar o lago do Royal Park, seria de se louvar se não tivesse outras prioridades mais importantes para fazer pela Cidade. Mas o que dizer de uma Gestão que está terceirizando tudo.  Mas isso não importa, importa é preservar a imagem do Prefeito e dos Vereadores da base. Engraçado que ninguém falou do pedido do Ministério Público para suspender o aumento de salários dos vereadores em 2022 e 2023.Legislar em causa própria vai contra a Constituição até onde sei.

A luta ideológica cria barreiras para poder chegar nos corações dos seguidores, turva suas mentes e dá ênfase a vínculos e lealdades. Quem segue ideologias não  consegue raciocinar,  se vê preso a inverdades e incongruências.

A falta de lógica, definição de incongruência, leva as pessoas a defender algo que acaba sendo contraditório. Ver Brasileiros com a bandeira de Israel é um exemplo bem simples. Israel é predominantemente Judaico e o Primeiro Ministro tenta incutir uma Ditadura. Qual o sentido então de ver Brasileiros defendendo um País totalmente contrário ao nosso? É um choque entre realidade e ideologia. É exatamente como ver Brasileiros residindo em Portugal e apoiarem a extrema direita, logo uma força política que é contra estrangeiros no País.

Na nossa Cidade é bem visível esta luta ideológica, sendo ao mesmo tempo assustadora, já que não os vejo preocupados com a população e sim com a manutenção de outra figura no Poder para dar continuidade a mais 4 anos de má gestão.

Em Ciência Política se diz que nenhum poder é vazio. O Poder que se está esvaziando não possui qualquer autoridade central que possa ser facilmente identificável. Esse vácuo leva a que outra força política possa se agigantar e tomar seu lugar. Em Ourinhos, em virtude da não possibilidade de recandidatura do Prefeito, estamos assistindo a essa teoria. A Gestão escolheu um candidato que já sabe que não vencerá. Mas a nova força que surgiu e com muitas chances de vencer a eleição de Outubro terá um caminho árduo e penoso pela frente. Tenho muitas reservas quanto ao que ficará para o novo Prefeito governar. O tempo me dirá se tenho ou não razão.

Esta semana assistimos à fuga de dois presos de uma cadeia de alta segurança. Brasileiro é muito engraçado, seja pelo que defende, ou pelo que é levado a defender sem conhecimento de causa. Há 40 anos que não há uma reforma do sistema prisional, e agora é que criticam? Criticam porque houve a evasão, mas não são capazes de ter pensamento crítico e ver que o problema vem de há muitos anos.

Brasileiro também não entende que a política pública de segurança está desfasada da realidade, não conseguem antecipar os problemas. Só tomam medidas quando os problemas acontecem.

Pegar um bandido de baixa categoria em uma qualquer fação não é o caminho, porque nenhum poder é vazio por muito tempo. Logo aparece outro que substitui aquele que foi preso.

A verdadeira estratégica passa por atacar o sistema financeiro obscuro e os grandes tubarões das organizações criminosas, longe vai o tempo em que bastava atacar a boca de fumo. Hoje as organizações viram internacionais e com um poder maior que qualquer governo. Quando isso acontece as organizações conseguem corromper os poderes públicos em todos os escalões. Nenhuma política pública consegue resistir a estes ataques se não apunhalar o coração das organizações, se não for direto na fonte, se não atacar todo seu sistema de financiamento. Só quando acertam no coração e sangra é que podem começar a extinguir uma qualquer organização criminosa. Não é colocando muralhas nas prisões que as coisas serão diferentes.

No Estado autocrático da Rússia presenciámos a mais uma fatalidade com um adversário de Putin. A escuridão assola mais uma vez o cenário político da Rússia.

Putin está tão agarrado ao Poder que não deixa espaço para surgirem muito tempo adversários à sua liderança. Todos os adversários que morreram têm um guião idêntico ao que era praticado pelo KGB, lembremos que Putin foi dos últimos elementos do KGB e com reconhecimento de grande elemento.

Navalny foi um mártir ao retornar à Rússia, ele sabia o que iria acontecer. Tentou mostrar que as pessoas devem lutar por um Estado Democrático de Direito. O problema maior é que Putin sabe bem que ninguém vai interferir na sua governança. A União Europeia impôs sanções individuais e econômicas à Rússia, mas mesmo assim o PIB cresceu. Putin sabe que ninguém declarará guerra, tanto é que ele prefere o Ditador Trump na Casa Branca em detrimento de Biden. Quando assim é algo estranho e suspeito paira no ar. As suspeitas ficarão sempre no ar sem provas já que todos os sistemas russos são dominados e submissos a um homem só, o Ditador Putin.

Como sempre termino com uma frase, desta vez de Gustave Le Bon:

“Um ditador não passa de uma ficção. Na verdade, o seu poder dissemina-se entre numerosos subditadores anónimos e irresponsáveis cuja tirania e corrupção não tardam a tornar-se insuportáveis.”

Pedro Saldida

APOIE

Seu apoio é importante para o Jornal Contratempo.

Formas de apoio:
Via Apoia-se: https://apoia.se/jornalcontratempo_apoio
Via Pix: pix@contratempo.info