Testemunha da morte de jovem em Ourinhos é ameaçada e agredida pela PM em Santa Cruz do Rio Pardo

Wesley Valheiro Morais, de 18 anos, estava no banco traseiro do carro quando Bryan morreu. Ele presenciou a abordagem dos policiais na saída da festa e o momento em que o soldado Luiz Paulo Izidoro atirou contra Bryan, que estava no banco do passageiro da frente. O jovem de 22 anos morreu com um tiro no pescoço.

Segundo o delegado Renato Caldeira Mardegan, que investiga o caso, a vítima disse chegou a ser agredida. “Ela [a vítima] alega que estava em um evento na cidade e foi abordada, e nesta abordagem teria sido reconhecida como testemunha do caso ocorrido no mês passado em Ourinhos. E ela teria sido hostilizada pelos policiais. No final da abordagem, após sofrer ameaças e ofensas, ela teria sido agredida com um soco”, diz o delegado.

Em nota, a PM informou que instaurou um Inquérito Policial Militar para a devida apuração e esclarecimento do ocorrido.

O comando da Polícia Militar alega que o disparo foi acidental, mas a Justiça aceitou a denúncia do Ministério Público contra o policial, que é réu e responde por homicídio doloso, quando há intenção de matar. O policial chegou a ser preso, mas foi liberado e responde aos processos civil e militar afastado das funções.

Wesley já depôs na ouvidoria da Polícia Militar incriminando o policial que fez o disparo e, segundo o delegado, o jovem acredita que a atitude dos policiais de Santa Cruz do Rio Pardo, cidade vizinha a Ourinhos, foi pra intimidá-lo no processo.

A Polícia Civil investiga o caso como injúria, ameaça, coação e abuso de autoridade. O rapaz e duas testemunhas foram ouvidas. Segundo o delegado, os policiais que trabalharam no dia também serão ouvidos para os suspeitos serem identificados. Também foi solicitado a ficha clínica de Wesley no dia que teria passado por atendimento médico para anexar à investigação.

O Condepe, Conselho Estadual dos Direitos da Pessoa Humana, que tem acompanhado e prestado apoio jurídico à família de Bryan, informou que estuda solicitar que o Wesley seja incluído na lista do programa de proteção a testemunhas do estado.

Wesley estava no banco traseiro do carro, durante abordagem da PM, que atirou e matou Bryan