2023 é o ano mais quente no planeta perto do limite crítico de aumento de temperatura, aponta estudo

 

O Serviço de Alterações Climáticas Copernicus da UE anunciou que as temperaturas em 2023 são as mais quentes registradas na história e provavelmente excedem qualquer outro período de tempo pelo menos nos últimos 100.000 anos.

A taxa de aumento da temperatura média global aproxima-se rapidamente da marca de 1,5 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais, um limite crítico para além do que se espera que os impactos climáticos devastadores aumentem significativamente se o aumento da temperatura for sustentado .

O novo relatório detalha que, em 2023, as temperaturas globais foram 1,48 graus superiores à linha de base pré-industrial. O limite de 1,5 foi temporariamente excedido durante quase metade do ano. De forma alarmante, dois dias em novembro de 2023 serviram mais de dois graus Celsius acima da linha de base. Nos meses de verão de 2023 foi provavelmente os mais  quente dos últimos 120 mil anos.

O estudo detalha que as temperaturas globais sem precedentes a partir de junho fizeram com que 2023 se tornasse o ano mais quente já registrado – ultrapassando por uma grande margem 2016, o ano mais quente anterior.

A temperatura média global em 2023 foi de 14,98°C, 0,17°C superior à registrada em 2016. A diferença pode parecer pequena, mas, na verdade, aumentos ou diminuições aparentemente pequenas nas temperaturas médias podem ter grandes impactos no clima e nossos sistemas meteorológicos da Terra.

2023 é o primeiro ano com todos os dias mais de 1ºC mais quente do que no período pré- industrial, provavelmente ultrapassou as de qualquer período pelo menos nos últimos 100.000 anos.

Os registros meteorológicos escritos estão disponíveis desde cerca de 1850, mas os cientistas podem compreender como funcionava o clima da Terra antes disso através de informações retiradas de fontes como anéis de árvores, núcleos de gelo e sedimentos.

Os acontecimentos extremos em todo o mundo em 2023 tiveram impactos significativos na saúde humana, nos ecossistemas, na natureza e nas infra-estruturas, afirma o relatório, com casos excepcionais de inundações, incêndios florestais, secas e calor extremo.

O Diretor do Serviço de Alterações Climáticas do Copérnico, Carlo Buontempo, afirmou que “os extremos que observamos nos últimos meses fornecem um testemunho dramático de quão longe estamos agora do clima em que a nossa civilização se desenvolve”. “Isto tem consequências profundas para o Acordo de Paris e para todos os esforços humanos”, disse Buontempo. “Se quisermos administrar com sucesso os  riscos climáticos, precisamos urgentemente descarbonizar a nossa economia e, ao mesmo tempo, utilizar dados e conhecimentos climáticos para nos prepararmos para o futuro.”

As temperaturas dos oceanos em todo o mundo foram persistentemente e invulgarmente elevadas, levando a ondas de calor marinhas com ataques na vida aquática e que aumentaram a intensidade da atividade das tempestades.

As altas temperaturas também estão acelerando o derretimento das plataformas de gelo, enquanto o gelo marinho da Antártica caiu para níveis recordes no ano passado. As concentrações de dióxido de carbono e metano atingiram níveis recordes de 419 partes por milhão e 1.902 partes por bilhão, respectivamente.

Fonte: https://climate.copernicus.eu/summer-2023-hottest-record

APOIE

Seu apoio é importante para o Jornal Contratempo.

Formas de apoio:
Via Apoia-se: https://apoia.se/jornalcontratempo_apoio
Via Pix: pix@contratempo.info