Após arquivamento de denúncia de irregularidades, candidatas eleitas para Conselho Tutelar tomam posse

Na tarde da última quarta-feira, dia 10, no plenário da Câmara Municipal, as cinco conselheiras tutelares eleitas na eleição realizadas no inicio de outubro de 2023 tomaram posse para o biênio 2024, 2027.

De forma inédita, a escolha dos novos conselheiros foi pelo voto popular com o uso de urnas eletrônicas,  o contingente de eleitores que compareceram para votar  nas 10 candidatas concorrentes foi de mil 1.779 munícipes.

A posse ocorreu somente  após 70 dias,  com a conclusão e arquivamento de uma sindicância determinada pelo  Promotor  de  Justiça da Infância e Juventude de Ourinhos  Aguilar de  Lara  Cordeiro, em  razão  de denúncia de  suposta  prática  de  atos  ilícitos na eleição.

Tais como  boca  de  urna , transporte de eleitores  e  abuso  de  poder  político,  a apuração atendeu a representação de uma munícipe que pedia a impugnação do  processo  eleitoral que elegeu cinco candidatas e suplentes para compor o conselho nos próximos quatro anos.

Em entrevista a  reportagem do Jornal Contratempo o promotor deu detalhes da apuração e disse que foi preciso instaurar um procedimento administrativo por suposta violação eleitoral.

De acordo com Aguilar o procedimento foi presidido pelo Conselho Municipal da Criança e do Adolescente e ao  final da investigação não foi constatado qualquer violação.

Na reportagem o promotor fala também das atividades dos conselheiros tutelares e das suas demandas que, em maior parte são de medidas de protetivas  ante medidas sócio educativas. Confira a entrevista ao Jornal contratempo.

APOIE

Seu apoio é importante para o Jornal Contratempo.

Formas de apoio:
Via Apoia-se: https://apoia.se/jornalcontratempo_apoio
Via Pix: pix@contratempo.info