Justiça aceita pedido de delação de sócia ‘laranja’ de Grupo de Comunicação em Marília

O Tribunal Regional Federal aceitou um pedido de delação premiada da sócia-proprietária do Grupo de Comunicação Central Marilia Notícias, responsável por duas rádios e um jornal, em Marília (SP). Sandra Mara Norbiato é investigada na Operação Miragem da Polícia Federal, que tem o objetivo de combater irregularidades nos serviços de radiodifusão. O caso corre em segredo de Justiça, mas o documento com o pedido do Ministério Público de delação foi divulgado nas redes sociais.

O acordo de delação premiada foi homologado pela desembargadora federal Cecília Mello. O acordo prevê ainda que Sandra pague uma multa de R$ 50 mil. O advogado Vladimir Poleto, que defende Sandra Norbiato no processo, disse que por causa do sigilo não pode comentar o pedido de delação.

Operação Miragem é realizada em empresa de
Marília (Foto: Fábio Conti/TV SOL/Divulgação)

O documento tem 21 páginas e traz um pedido de homologação de um termo de delação premiada. De acordo com o documento, Sandra Norbiato reconhece que participou de um esquema criminoso para encobertar os verdadeiros donos do grupo de comunicação. No depoimento que ela prestou à Procuradoria Regional da República, Sandra disse que seria ‘testa de ferro’ do deputado estadual Abelardo Camarinha (PSB) e do filho dele, o ex-prefeito de Marília, Vinícius Camarinha (PSB).

Por meio de nota, o deputado estadual Abelardo Camarinha e o filho dele, o ex-prefeito de Marília, Vinícius Camarinha, disseram que trata-se de uma ação de adversários políticos e que serão tomadas providências judiciais contra as falsas acusações. Em outra nota, a assessoria do deputado Abelardo Camarinha disse que não tem conhecimento oficial do depoimento. E que não mantém relacionamento com as pessoas citadas na reportagem.

A investigada falou também que foi indicada no esquema pelo ex-marido, Antônio Celso dos Santos, para atuar como ‘laranja’ na direção do grupo de comunicação, mediante pagamentos mensais de R$ 2,5 mil. Sandra ainda confirmou que jamais participou da gestão das empresas.

No documento consta que o MPF ofereceu à testemunha o perdão judicial dos crimes cometidos por ela. O pedido de delação premiada foi assinado no dia 16 de janeiro. Ele foi encaminhado pelo Ministério Público Federal ao Tribunal Regional Federal.

Entenda o caso
O esquema veio à tona em agosto de 2016, depois que a Polícia Federal deflagrou a Operação Miragem que investiga lavagem de dinheiro. Foram cumpridos 26 mandados de busca e apreensão e duas rádios foram lacradas pela Anatel. Na semana passada, a PF realizou a segunda fase da operação. Policiais fizeram buscas na sede do jornal diário, que foi fechado por determinação da Justiça.

Antônio Celso dos Santos, ex-marido de Sandra Norbiato, foi preso pela polícia. Ele estaria coagindo testemunhas, entre elas a ex-mulher, segundo a polícia.

Os envolvidos no processo são suspeitos de associação criminosa, falsidade ideológica, uso de documento falso, desenvolvimento clandestino de atividade de telecomunicações, sonegação fiscal, ocultação de bens, entre outros crimes.

Polícia Federal cumpriu mandados em Marília (Foto: Romeu Neto/TV TEM)