Polícia pede quebra de sigilos de suspeita de desviar R$ 3,5 milhões em Santa Cruz do Rio Pardo

joias_documentos
Joias e documentos foram apreendidos nos imóveis de Sueli Feitosa

O delegado Renato Mardegan pediu a quebra dos sigilos bancário, fiscal e telefônico da principal suspeita de desviar mais de R$ 3,5 milhões de verba da prefeitura de Santa Cruz do Rio Pardo (SP). A ex-funcionária da tesouraria foi exonerada no dia 23 de dezembro de 2016.

Segundo o delegado, o objetivo é descobrir qual o real patrimônio construído pela funcionária pública Sueli de Fátima Feitosa enquanto ocupou o cargo de diretora na prefeitura. “Através da queda do sigilo fiscal nós conseguimos analisar o patrimônio dela e dos familiares a fim de verificar se existe uma correspondência entre o ganho real e o patrimônio que eles ostentam e declararam à Receita Federal.”

A prefeitura já voltou a atender a população nessa semana depois de ter ficado fechada por conta de auditoria interna que apura o desvio feito há pelo menos dez anos.

Segundo as investigações, a suspeita pegava dinheiro do caixa da prefeitura e depositava em contas pessoais. Para esconder o desvio extratos bancários eram falsificados. A Polícia Civil apreendeu documentos, contratos e computadores na casa da suspeita – que não está na cidade – e de parentes dela. Todo o material está sendo analisado.

Prefeito Otacílio anunciou corte de investimentos no município

Cortes no investimento
Os servidores de Santa Cruz do Rio Pardo ficaram sem abono salarial em 2016 e a reforma da rodoviária da cidade, prevista para 2017, vai ter que ser adiada, segundo o prefeito Otacílio Parras Assis, que afirmou que o dinheiro desviado dos cofres municipais vai reduzir investimentos previstos pra 2017, ano em que ele começa seu segundo mandato.

“Não temos como fazer a reforma da rodoviária, a reforma do posto de Sodrélia, a compra de máquinas e o abono de R$ 500 que seria dado aos funcionários não tem como ser feito.”