Autonomia da PF num sinal de trânsito

por Rafael Dantas
Hoje estava eu e minha bike esperando o sinal abrir, logo a frente havia uma Volks, cabine dupla, branca, daquelas compradas com o desconto do IPI, olhei para dentro e me pareceu que dentro havia um comerciante que conheço de vista, que ganhou um dinheiro bacana no período de alta do consumo. Atrás dois adesivos: um Fora Dilma. Logo abaixo outro dizendo que apoiava a autonomia da PF.
Pensei um pouco naquele contexto, naqueles adesivos, lembrei que a PF desde o governo Lula age, faz operações, prende, investiga, seus agentes são bem pagos (quem não quer um salário da PF?!), e gozam de uma autonomia funcional sem tamanho, é tão grande, que alguns agentes do Paraná fizeram campanha para o candidato da oposição nas redes sociais, sem nem mesmo temer que este tipo de manifestação pública pudesse causar algum problema de conflito de interesse, entre os processos em que trabalha, e os posicionamentos políticos públicos que tomavam, eu não disse temer de manifestar seu posicionamento sadio numa democracia, mas sim de que, na posição em que estavam, seus posicionamentos políticos deveriam ser os mais discretos possíveis, para não causar danos ao processo.
Nos idos governos de FHC, o diretor da PF era até filiado ao PSDB. A operação mais famosa da PF, durante os 8 anos de governo tucano, foi quando a mesma invadiu a sede da Lunus e apanhou uma dinheirama lá do marido da Roseana Sarney que era pré-candidata pelo PFL, o caso serviu como uma pá de cal em suas intenções maiores. Na matemática também é possível ver as diferenças, durante todo o governo tucano, foram feitas cerca 48 operações da Polícia Federal, guarde este número, 48, poderia ter sido 45, mas não foi. Apenas durante os dois governos de Lula, as operações da PF somaram 1.273. Peguemos apenas o anos de 2005, foram 67 operações. Só no ano de 2005, a PF fez mais operações do que todos os oito anos de gestão do PSDB que “brada contra a corrupção”.
Então pensei, que autonomia é esta da PF que pede o adesivo? A PF hoje tem autonomia funcional, está equipada, e com grande saldo de operações, presos, combate acirrado aos crimes que lhe compete, alguns setores se arriscam até a colocar asas de fora com manifestações políticas, saindo da esfera funcional, sem nem ao menos serem punidos.
Abriu o sinal, a caminhonete acelerou numa arrancada, cortou pela direita e “costurou o trânsito”. Isso explica um pouco da ética do motorista em questão?