As origens da Vila Margarida e os primeiros times do bairro

 

Por José Luiz Martins –

Em 1922 foi iniciada, partindo de Ourinhos, a construção de uma nova ferrovia ligando o estado de São Paulo ao norte do Paraná (Estrada de Ferro São Paulo / Paraná) para escoamento do café, cuja cultura se espalhava pelo estado vizinho de SP. A construção estava a cargo de uma Companhia Inglesa que investia seu capital no Brasil. A nova estrada de ferro atraiu para Ourinhos um grande número de pessoas vindas de todas as regiões e imigrantes que já viviam no país.

A companhia adquiriu uma extensa área de terra pertencente ao fazendeiro  Jacinto Ferreira de Sá para a instalação de uma estação, escritórios, residências para os diretores e um conjunto de casas para os trabalhadores mais humildes, que ficou conhecido como “Vila Inglesa”. A desapropriação da área também abrangeu parte de terras de propriedade de uma família de imigrantes italianos, cujo patriarca era Ângelo Christoni, comerciante que tinha um bazar na praça Mello Peixoto quando ainda não tinha essa denominação.

Em 1938 aproveitando o grande número de pessoas que chegavam ao novo município, Angelo resolveu lotear suas terras à esquerda da Estrada de Ferro Sorocabana e da “Vila Inglesa” também próxima às oficinas e o pátio de manobras da ferrovia. O acesso ao novo loteamento era através de uma estrada que passava por entre os escritórios da Companhia Inglesa (Av. Rodrigues Alves) e descia pela Rua Rui Barbosa, conta Carlos Lopes Bahia professor de história e pesquisador.

 

Conforme o professor, “de inicio o novo loteamento era chamado de “Vila Nova” e mais tarde popularizada como  “Vila Margarida”, em homenagem a Dona Margarida, esposa de Ângelo Christoni. A maioria de seus moradores eram as famílias  dos novos trabalhadores que admitidos tanto pela CIA Estrada de Ferro São Paulo/Paraná  e E.F. Sorocabana cujos trilhos já alcançara Ourinhos  a mais de 20 anos”.

Por esses anos a Companhia Inglesa construiu quadras e um campo de futebol suíço e formou equipes esportiva entre seus funcionários mais graduados e da diretoria que praticavam,  tênis, o vôlei e basquete, somente em 1937 criaram um time de futebol integrado pelos ferroviários.

Em 1941, ano em que eclodiu a 2ª guerra mundial e que foi ao ar pela primeira vez pela Radio Nacional “repórter Esso”, o gaúcho Getúlio Vargas chegava novamente a presidência da república. Foi também o ano em que o governo federal assumiu a construção da ferrovia no Paraná e a companhia acabou sendo nacionalizada.

A partir de 1944 foram surgindo às primeiras equipes no novo bairro, os amantes do futebol na vila Margarida conseguiram a cessão de uma área de terra entre a vila e a estrada de acesso à fazenda Chumbeadinha onde construíram um campo de futebol. Era uma cancha de terra com dimensões reduzidas e inclinado.

Mas isso não desestimulou os boleiros da localidade, vários times foram ali formados como forma de lazer nos finais de semana e que com o passar do tempo foram disputar os primeiros campeonatos varzeanos realizados na cidade a partir dos anos 50. Esses times eram E.C. 21 de Abril, Corinthians, Vasco, C. A. Paulista,  XV de Novembro , Sete de Setembro e Palmeirinhas.